Última hora
This content is not available in your region

Bolsonaro desafia STF: "Eu nunca serei preso"

Access to the comments Comentários
De  Francisco Marques
euronews_icons_loading
Bolsonaro desafia STF: "Eu nunca serei preso"
Direitos de autor  Renato Spyrro/Copyright 2021 The Associated Press. All rights reserved.
Tamanho do texto Aa Aa

Jair Bolsonaro aproveitou o Dia da Independência do Brasil para reforçar os ataques ao Supremo Tribunal Federal (SFT) com discursos em Brasília e São Paulo perante milhares de apoiantes.

O Presidente do Brasil está num braço de ferro com a Justiça devido aos diversos inquéritos incluídos numa investigação liderada por Alexandre Moraes, o ministro do STF, ao financiamento e organização de atos contra as instituições e a democracia, e que implica diversos apoiantes de Bolsonaro além do próprio chefe de Estado.

"Nós devemos, sim, porque eu falo em nome de vocês, determinar que todos os presos políticos sejam postos em liberdade. Alexandre de Moraes, esse presidente não mais cumprirá. A paciência do nosso povo já se esgotou. (...) (Quero) Dizer aos canalhas que eu nunca serei preso", afirmou o Presidente, sugerindo ainda que o juiz se demita e se retire.

Ele tem tempo ainda de se redimir. Tem tempo ainda de arquivar seus inquéritos.

Sai, Alexandre de Moraes, deixa de ser canalha, deixa de oprimir o povo brasileiro.
Jair Bolsonaro
Presiente do Brasil

A pesar ainda nas preocupações de Bolsonaro está agora também o facto de Alexandre de Moraes se tornar presidente do Tribunal Superior Eleitoral, no próximo ano, com Presidenciais previstas para outubro de 2022.

Diante do Presidente, um dos milhares de apoiantes do atual líder brasileiro afirmou: "Não estou deixando ele governar, não é ele que está governando. É o STF que está querendo governar o Brasil. E não foi o STF que elegemos. Elegemos Bolsonaro para governar o Brasil".

O contraponto, surgiu em várias cidades, incluindo São Paulo, onde ecoaram palavras de ordem contra o Presidente e em apoio das investigações do STF e do Senado em torno de alegadas campanhas massivas de desinformação e pela gestão da pandemia.