Biden reforça alianças no Pacífico

Biden reforça alianças no Pacífico
Direitos de autor Evan Vucci/Copyright 2021 The Associated Press. All rights reserved
De  Euronews com LUSA
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O presidente norte-americano reuniu o Grupo Quad (EUA, Austrália, Japão e Índia), esta sexta-feira, na Casa Branca

PUBLICIDADE

O presidente dos Estados Unidos aproveitou a primeira cimeira presencial do grupo Quad para destacar os progressos na região indo-pacífica face à ascensão militar e política da China.

O grupo composto pela Índia, Austrália, Japão e EUA foi criado em 2007 e reativado pelo atual presidente norte-americano.

Para além de Biden, estiveram presentes na reunião os primeiros-ministros Scott Morrison,  Yoshihide Suga, e Narendra Modi.

No início da reunião, Biden descreveu o Quad como um grupo de países que partilham uma visão semelhante do mundo e, com particular ênfase, disse: "Somos quatro democracias com uma longa história de cooperação. Sabemos como fazer as coisas, e estamos prontos para os desafios.

Por seu lado, Suga, naquela que foi a sua última visita à Casa Branca como primeiro-ministro japonês, viu a reunião do Quad como um reflexo da forte solidariedade entre as quatro nações e do seu "empenho inabalável numa visão comum para um Indo-Pacífico livre e aberto".

Morrison também fez eco desta aspiração por um Indo-Pacífico "livre de coerção, onde os direitos soberanos de todas as nações sejam respeitados e onde as disputas sejam resolvidas pacificamente de acordo com o direito internacional".

Modi falou do seu desejo de consolidar o compromisso assumido pela Quad na sua primeira cimeira, em Março: entregar mil milhões de doses de vacina covid-19 em toda a Ásia até 2022.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

EUA e Austrália concordam em reforçar oposição à China no Pacífico

APEC: Tratado Transpacífico de comércio livre continua

Obama despede-se em cimeira da APEC com futuro incerto para Parceria do Trans-Pacífico