Última hora
This content is not available in your region

Britney "livre" do pai

Access to the comments Comentários
De  Euronews com Lusa
euronews_icons_loading
O movimento #FreeBritney tem ativistas em todo o mundo
O movimento #FreeBritney tem ativistas em todo o mundo   -   Direitos de autor  Chris Pizzello/Invision
Tamanho do texto Aa Aa

Britney Spears deixa de ter o pai como tutor. A decisão de um Tribunal Superior de Los Angeles põe fim a uma polémica relação que levou a cantora a denunciar abusos de poder. A tutela de Britney Spears, em termos económicos e sociais, foi transferida para um funcionário do Estado da Califórnia. Uma medida que é considerada uma vitória para a artista e foi aplaudida pelos fãs que ao longo dos últimos meses promoveram a campanha #FreeBritney (Libertem a Britney)

Durante a audiência, a juíza Brenda Penny disse que o acordo atual era "insustentável", decidindo, "no interesse" da artista, suspender Jamie Spears do cargo de tutor com efeitos imediatos.

A supervisão, instituída há mais de 13 anos, após transtornos mentais manifestados por Britney Spears, continua em vigor, mas Jamie Spears deixa de ter voz na gestão da vida privada ou nas finanças da filha, confiada agora a profissionais.

O tribunal deve decidir sobre o fim da tutela numa futura audiência, provavelmente até ao final do ano.

Jamie Spears "deve ser suspenso em 29 de setembro, e a custódia deve terminar rapidamente", escreveu o advogado da cantora, Mathew Rosengart, numa petição protocolada esta semana.

"Cada dia que passa com ele como tutor -- todos os dias e todas as horas -- é um dia em que ele lhe provoca angústia e dor", continuou.

Apoiando as afirmações de Mathew Rosengart, um documentário publicado na última semana pelo The New York Times ("Controlling Britney Spears") acusa Jamie Spears de ter instalado secretamente câmaras de vigilância no quarto da filha e de ter gravado conversas privadas.

Jamie Spears negou ter exercido qualquer vigilância ilegal sobre sua filha.

Também outro documentário, "Britney vs Spears", mas produzido pelo serviço de 'streaming' Netflix, afirma que a cantora de 39 anos tentou contratar por duas vezes o seu próprio advogado no início do caso judicial da tutela.

Em agosto, pai de Britney Spears concordou em renunciar à tutoria da artista, que exerceu durante mais de 13 anos, assumindo o controlo do património financeiro e aspetos da vida pessoal.

De acordo com documentos entregues hoje no Tribunal Superior de Justiça de Los Angeles, o advogado do pai da artista confirma que Jamie Spears concorda em confiar a função a outra pessoa.

"No entanto, embora Jamie Spears seja alvo de ataques injustificados incessantemente, ele não acredita que uma batalha pública com a sua filha pelos serviços como tutor seja o melhor para ela", referem os documentos, cujo conteúdo foi divulgado inicialmente pelo 'site' norte-americano especializado na área do entretenimento TMZ e depois confirmado pela revista Variety.

Britney pelo fim da tutoria desde 2008

Em fevereiro, a vida de Britney Spears voltou à esfera pública com o lançamento do documentário "Framing Britney Spears", focado na trajetória da cantora norte-americana, incluindo os momentos de maior popularidade e os acontecimentos que levaram a que a sua vida passasse a ser controlada pelo pai.

Aos 39 anos, Britney Spears "não pode dispor livremente do seu dinheiro ou assinar nenhum documento sem autorização prévia, o que a levou a uma árdua batalha judicial contra o pai". O trabalho do The New York Times "explora a base legal da tutela, assim como os requisitos que devem cumprir tanto Spears como os tutores designados pelo tribunal".

Britney Spears estreou-se oficialmente em 1999 quando editou o álbum "...Baby One More Time", que vendeu mais de cem milhões de exemplares em todo o mundo.

Na sequência do documentário "Framing Britney Spears", tornaram-se virais movimentos para pedir a "libertação" da artista do controlo do pai ("#FreeBritney") e para levar a que quem a criticou e julgou, na altura, viesse agora pedir desculpa.

Sendo uma das artistas que mais venderam no virar do século, a norte-americana é a intérprete de temas como "Oops!... I Did It Again", "Toxic" e "Womanizer".