Última hora
This content is not available in your region

Primeira-ministra da Moldávia: temos uma energia renovada para combater a corrupção"

Access to the comments Comentários
De  Sandor Zsiros  & euronews
euronews_icons_loading
Primeira-ministra da Moldávia:  temos uma energia renovada para combater a corrupção"
Direitos de autor  euronews
Tamanho do texto Aa Aa

O novo governo "pró-ocidental" da Moldávia quer fazer reformas e aproximar-se da União Europeia. A instabilidade, a corrupção e o aumento da pobreza são alguns dos problemas estruturais do país. A euronews falou com Natalia Gavrilița, primeira-ministra da Moldávia.

euronews: “Teve o cuidado de escolher Bruxelas como destino da sua primeira viagem ao estrangeiro, o que pode ser visto como uma mensagem. Qual é a vossa mensagem para a União Europeia?”

Natalia Gavrilița, primeira-ministra da Moldávia: “A nossa mensagem é que a Moldávia tem uma energia renovada, um entusiasmo renovado para combater a corrupção, para melhorar as instituições, para garantir o Estado de direito, para assegurar a estabilidade económica e o crescimento económico. Ou seja, por garantir que nos aproximamos dos valores europeus, das normas europeias e do modo de vida europeu".

euronews: "Ao longo da historia, a Moldávia tem hesitado entre um governo de orientação russa e um governo mais virado para o Ocidente. Pensa que a atual onda pró-Ocidente vai durar? O que vai fazer para que dure? ”

Natalia Gavrilița, primeira-ministra da Moldávia: “Ganhámos com uma vitória esmagadora e com uma agenda fundamentalmente interna. Não escolhemos entre o Oeste e o Leste, defendemos uma vida melhor para os cidadãos da Moldávia. Os cidadãos da Moldávia estão cansados de governos que mentem, de políticos que roubam, de serviços públicos que não funcionam, de decisões que não têm em conta o interesse público. O que eles disseram nas eleições é que querem um governo no qual possam confiar, um governo que todos os dias tome decisões, tendo em conta o benefício público e não o benefício de alguns. Isso é uma agenda pró-europeia ou pró-russa? Na verdade, é uma agenda pró-cidadãos. ”

É preciso garantir que as reformas de estilo europeu sejam irreversíveis e, nessa altura, poderemos falar de alargamento"
Natalia Gavrilița
primeira-ministra da Moldávia

euronews: “Tem que lutar contra a corrupção e tem que transformar a economia. Como vai avançar nesses campos?

Natalia Gavrilița, primeira-ministra da Moldávia: “Estamos a começar pela limpeza das instituições. Há apenas algumas semanas, interrompemos uma grande aquisição pública que envolvia desvio de dinheiro. Estamos a fazer uma limpeza ao nível dos dirigentes e das empresas estatais.Estamos a impedir a corrupção dentro do governo. Ao mesmo tempo, estamos a começar a trabalhar ao nível da legislação para melhorar a responsabilização a nível judicial, definir as responsabilidades do procurador-geral em relação ao desempenho da justiça".

euronews: “A Moldávia é um dos países mais pobres da Europa. O que pretende fazer para que a economia funcione melhor e em prol do povo?

Natalia Gavrilița, primeira-ministra da Moldávia: “Durante os 30 anos de instabilidade e de corrupção desenfreada, o setor privado também foi contaminado pelos direitos adquiridos. O que procuramos fazer é reduzir drasticamente as barreiras à entrada. Por isso, queremos acabar com os monopólios em certas áreas. Queremos melhorar os regulamentos para facilitar a participação das empresas. Estamos num processo de redução da burocracia para as pequenas e médias empresas. Estamos a refletir sobre uma reforma da função de controlo do governo. E, claro, teremos estabilidade ao longo dos próximos quatro anos. O presidente, o parlamento e o governo estão a trabalhar na mesma direção. Esperamos aproveitar essa oportunidade para captar mais investimentos”.

Com a melhoria das instituições e ao combatermos a corrupção, estamos, na verdade, a ajudar o país a alcançar a reintegração"
Natalia Gavrilița, primeira-ministra da Moldávia

euronews: “A luta contra a corrupção é sempre algo muito arriscado. Sente–se segura? Pensa que o governo tem apoio suficiente para travar essa luta? ”

Natalia Gavrilița, primeira-ministra da Moldávia: “Temos um apoio massivo do povo. É isso que nos inspira. Pessoalmente, sinto-me segura porque estamos a fazer o que é certo e tenho certeza de que tanto os nossos cidadãos como os nossos parceiros vão dar-nos a melhor proteção possível".

euronews: "Atualmente, a União Europeia não está preparada para novos alargamentos. Quais são as suas perspectivas para as próximas décadas na Moldávia?"

Natalia Gavrilița, primeira-ministra da Moldávia: “Penso que o alargamento europeu e a integração europeia são um processo. Sabemos que temos que fazer o nosso trabalho de casa. Sabemos que temos que melhorar drasticamente o funcionamento das nossas instituições e melhorar o nível de vida do nosso povo. É preciso garantir que as reformas de estilo europeu sejam irreversíveis e, nessa altura, poderemos falar de alargamento. Mas, entretanto, nada nos impede de cooperar de forma mais profunda em áreas específicas. ”

euronews: “Qual poderia ser a solução para a região separatista da Transnístria?”

Natalia Gavrilița, primeira-ministra da Moldávia: “Estamos a trabalhar para tornar a margem direita da Moldávia mais atrativa para as pessoas da margem esquerda da Moldávia. Com a melhoria das instituições e ao combatermos a corrupção, estamos na verdade a ajudar o país a alcançar a reintegração, tornando-a mais atrativa para as pessoas da margem esquerda. Em segundo lugar, acreditamos na eliminação de alguns dos esquemas de corrupção que existiam entre a margem direita e a margem esquerda. Foi um conflito que também foi alimentado, ou melhor, que continua a ser possível devido aos lucros obtidos por direitos adquiridos, tanto à direita quanto à esquerda, na margem do rio. Portanto, estamos também a tentar conter a corrupção nessa esfera ”.

euronews:“Estaria disposta a sentar-se com os líderes russos para falar sobre a questão da presença militar russa nessa região?”

Natalia Gavrilița, primeira-ministra da Moldávia: “Sempre deixámos claro e essa postura não mudou nos últimos trinta anos, independentemente de quem estivesse no poder que queremos a retirada das tropas russas. Queremos também acelerar a resolução da questão do armamento, na margem esquerda, na região de Cobasna. Dissemos durante a campanha que teremos uma política externa equilibrada, orientada ou centrada nas necessidades dos cidadãos. E estamos prontos para fazer o que for preciso para proteger os interesses dos nossos cidadãos e o interesse público".