"O extremismo violento da direita branca está mais presente na Europa"

"O extremismo violento da direita branca está mais presente na Europa"
Direitos de autor euronews
De  Pedro Sacadura
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A euronews falou com o coordenador anti-terrorismo da União Europeia, Ilkka Salmi.

Ilkka Salmi é a figura de referência da luta contra o terrorismo na União Europeia. Recentemente, foi nomeado coordenador da resposta dos Estados-membros às ameaças à segurança. A nomeação ocorre num contexto marcado pela ascenção do extremismo de direita e por uma preocupação crescente em relação ao uso das redes sociais para difundir mensagens de ódio. A euronews entrevistou Ilkka Salmi, em Bruxelas.

Pedro Sacadura, euronews: "Acabámos de começar um novo ano. Em 2022, como definiria terrorismo?"

Ilkka Salmi, coordenador anti-terrorismo da União Europeia: “Diria que é preciso ter em mente que o terrorismo existe. Se considerarmos, por exemplo, as opiniões islamistas radicais ou o jihadismo, essa ideologia continua a existir, apesar da derrota do Califado na Síria. E temos de estar preparados para isso”.

Pedro Sacadura, Euronews: "Assume o cargo numa altura em que o terrorismo parece ter desaparecido da agenda. Será que a ameaça está a escapar à agenda política?"

Ilkka Salmi, coordenador anti-terrorismo da União Europeia: “Infelizmente, a ameaça terrorista está constantemente presente. Temos de dizer que é, em parte, talvez, elevada. Não podemos dizer que tenha desaparecido completamente. É claro que certas questões, especialmente, do ponto de vista europeu, como a pandemia podem ter tido um impacto a esse nível. As pessoas não se deslocam de forma tão livre como antes. Também gostaria de destacar uma coisa boa, que é a resiliência. Tem havido, na Europa, ataques terroristas de pequena escala, situações muito infelizes, onde se perderam vidas. No entanto, as sociedades conseguiram recuperar”.

A tecnologia desempenha um papel na difusão na Internet de discursos de ódio e de conteúdos terroristas.
Ilkka Salmi
Coordenador da luta antiterrorista na UE

Pedro Sacadura, euronews: “Em que ponto estamos atualmente em termos de ameaças terroristas na Europa e quais são as questões prementes?”

Ilkka Salmi, coordenador anti-terrorismo da União Europeia: “Eu diria, basicamente, três coisas. A primeira, o jihadismo ou a ameaça islamista radical ainda existe. Em segundo lugar, o extremismo de direita, especialmente o extremismo violento da direita branca está mais presente na Europa. A terceira questão é, obviamente, o desenvolvimento da tecnologia. A tecnologia desempenha um papel na difusão na Internet de discursos de ódio e de conteúdos terroristas”.

Pedro Sacadura, euronews: "No passado, vários cidadãos europeus aderiram a organizações ligadas ao terrorismo. Na sua opinião, a Europa continua a ser um terreno de recrutamento para essas organizações? E quais são as causas profundas desses recrutamentos?"

Ilkka Salmi, coordenador anti-terrorismo da União Europeia: “Digamos que em 2012, 2013, 2014 em particular ou em 2015 com a crise na Síria e a formação do Daesh ou Estado Islâmico, alguns europeus juntaram-se a essas organizações terroristas. Em teoria, isso ainda existe de certa forma, se tivermos em conta o que está a acontecer no Afeganistão. É uma questão que vamos seguir".

Estamos longe de poder traçar uma espécie de linha direta entre migração e terrorismo.
Ilkka Salmi
Coordenador da luta antiterrorista na UE

Pedro Sacadura, euronews: "No último trimestre, o tema da migração voltou à agenda. Pensa que há uma ligação, como dizem algumas pessoas, entre migração e terrorismo?"

Ilkka Salmi, coordenador anti-terrorismo da União Europeia: Estamos longe de poder traçar uma espécie de linha direta entre migração e terrorismo. Ao mesmo tempo, é preciso ter em mente que se houver um grande movimento de pessoas em todo o mundo, as organizações terroristas podem tentar tirar partido desses movimentos para infiltrar indivíduos”.

Pedro Sacadura, euronews: “Estamos em Bruxelas, onde houve ataques terroristas no passado. Na sua opinião, quais são as prioridades para que a Europa seja um lugar mais seguro?"

Ilkka Salmi, coordenador anti-terrorismo da União Europeia: “Temos de garantir um equilíbrio entre questões como a privacidade, por um lado, e a segurança, por outro, de modo a assegurar que a legislação possa ser aplicada, para que possamos trabalhar de forma eficiente. E ao mesmo tempo é preciso garantir que as nossas instituições tenham acesso às novas tecnologias".

A nova lei europeia sobre conteúdos terroristas na Internet

Pedro Sacadura, euronews: Vamos falar de outro tema, a pandemia, que é também uma questão premente. Segundo um relatório recente da Europol sobre 2020, as organizações ligadas ao terrorismo estão a tirar partido da pandemia de Covid-19 para exacerbar o discurso do ódio e a propaganda online. O que está a ser feito para combater esse fenómeno que poderá assumir maiores dimensões no futuro?”

Ilkka Salmi, coordenador anti-terrorismo da União Europeia: “A chamada legislação sobre conteúdo terrorista na Internet vai entrar em vigor. É uma legislação europeia. Basicamente, os fornecedores de serviços e as redes sociais serão obrigados a remover o conteúdo terrorista que for publicado nessas plataformas, a partir da informação dos Estados Membros, das autoridades e da Europol. Têm uma hora para remover esse tipo de informação ou de mensagem. Penso que é um desenvolvimento muito bom o facto de ao longo dos últimos dois anos termos conseguido aprovar este tipo de legislação, que entrará em vigor no próximo verão".

As novas tecnologias são-nos extremamente úteis mas, ao mesmo tempo, dão novas ferramentas aos que querem fazer mal. E é exactamente por isso que temos de acompanhar os desenvolvimentos tecnológicos".
Ilkka Salmi
coordenador da luta antiterrorista na UE

Pedro Sacadura, euronews: “Hoje em dia há muitos conteúdos na Internet contra a vacinação, no contexto da pandemia. Considera que esses discursos podem ser usados pelo extremismo de direita para outros fins e para conquistar mais seguidores?"

Ilkka Salmi, coordenador anti-terrorismo da União Europeia: “Não me parece que isso possa ser rotulado como terrorismo, por enquanto. Dito isto, tem havido alguma preocupação perante a possibilidade de uma pequena parte dos quem são contra se radicalizarem e procurarem alianças com diferentes grupos, por exemplo, com o violento extremismo de direita. Mas, por enquanto, é importante sublinhar o direito à liberdade de expressão, à liberdade de opinião e o direito de manifestação".

Pedro Sacadura, euronews: "À medida que a tecnologia evolui, o terrorismo também evolui. Como podemos lidar com isso?”

Ilkka Salmi, coordenador anti-terrorismo da União Europeia: "Antes de mais, é preciso fazer um grande esforço ao nível da prevenção, para que as pessoas não se radicalizem e não estejam em contacto com essas opiniões, especialmente quando falamos da Europa e, claro, também a nível global. Em segundo lugar, temos de garantir que as instituições que aplicam a lei e as autoridades de segurança tenham recursos suficientes e um quadro legal para agir."

Pedro Sacadura, euronews: “A melhor arma no futuro será online? O que faria ao nível da luta contra o ciberterrorismo?"

Ilkka Salmi, coordenador anti-terrorismo da União Europeia: “Acredito que esse é, sem dúvida, o caminho a seguir. Não vai substituir o que acontece no mundo real. Porque é aí que, infelizmente, todos os incidentes terroristas têm um impacto psicológico. Por outro lado, as novas tecnologias são-nos extremamente úteis mas, ao mesmo tempo, dão novas ferramentas aos que querem fazer mal. E é exactamente por isso que temos de acompanhar os desenvolvimentos tecnológicos".

Pedro Sacadura, euronews: "Pensa que há uma abordagem única que pode ser aplicada a situações e países diferentes, uma espécie de abordagem pan-europeia?"

Ilkka Salmi, coordenador anti-terrorismo da União Europeia: “A ameaça varia, sem dúvida, em função dos estados membros da UE. Nesse sentido, provavelmente, não podemos falar de uma abordagem monolítica".

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Kristalina Georgieva: "Não se apressem a apertar a política monetária"

"Há uma necessidade política de controlar o corpo das mulheres"

Primeira-ministra da Moldávia: temos uma energia renovada para combater a corrupção"