This content is not available in your region

Timmermans: "alguns países vão precisar do gás natural como fonte de energia de transição"

Access to the comments Comentários
De  Méabh Mc Mahon  & euronews
euronews_icons_loading
Timmermans: "alguns países vão precisar do gás natural como fonte de energia de transição"
Direitos de autor  euronews

"O mais importante é confrontar os nossos cidadãos com o custo da não transição ecológica", disse à euronews Frans Timmermans vice-presidente Executivo da Comissão Europeia responsável pelo Clima.

euronews: “Na COP26 em Glasgow, a fotografia que mostrou ao lado do Kees, o seu neto de um ano, tornou-se viral. Na sessão plenária da COP 26, declarou: O Kees terá 31 anos em 2050. Se falharmos, quer dizer, se falharmos agora, nos próximos dois anos, ele deverá lutar com outros seres humanos por água e comida. É esta a dura realidade que enfrentamos. Pensa que o Kees ficará satisfeito com o resultado da COP26?”

Frans Timmermans: “Penso que não. Ainda temos muito trabalho pela frente. Mas o que eu tentei fazer é mostrar que este problema é pessoal para cada um de nós. Não é apenas pessoal para mim e para meu neto. Todos as pessoas têm entes queridos, filhos ou familiares que vão sofrer as consequências da crise climática se não a resolvermos”.

euronews: “Quase não houve acordo no sábado. Conte-nos o que se passou nos bastidores. O que é que se estava realmente a passar?”

Frans Timmermans: “É sempre difícil chegar a um acordo global numa conferência do clima. Mas desta vez fomos mais ambiciosos do que muitos países previam e demorou um pouco para que todos atravessasem essa linha. Em particular, a formulação da presidência britânica sobre o carvão foi vista como um pouco exagerada para alguns países produtores de carvão.Tivemos que reformular a frase. Manter um alto nível de ambição mas usar palavras diferentes. Mesmo assim, há sinais claros para o fim do carvão e isso é o mais importante.

euronews: “Vimos o presidente da COP26 emocionado, Alok Sharma, a dizer que foi apenas uma 'vitória frágil'.

Frans Timmermans: “Sim, ele ficou emocionado com as surpresas de última hora que recebemos de vários países que de repente não quiseram apoiar o resultado final.Tivemos de encontrar, com esses países, soluções rápidas e felizmente conseguimos fazê-lo”.

É sempre difícil chegar a um acordo global numa conferência do clima (...) Mesmo assim, há sinais claros para o fim do carvão e isso é o mais importante.
Frans Timmermans
vice-Presidente Executivo da Comissão Europeia responsável pelo Clima

euronews: “Falemos na questão das reparações climáticas. Por que é que a Europa está tão relutante em criar um fundo para perdas e danos para os países que serão afetados pelas alterações climáticas mas que não as causam?”

Frans Timmermans: “No mundo desenvolvido, não há ninguém que faça mais pelo fundo para perdas e danos do que a União Europeia. Pressionámos outros países desenvolvidos a pôr mais dinheiro em cima da mesa. Nós disponibilizámos mais dinheiro para esse fundo. E demos mais dinheiro ao fundo de adaptação. No mundo desenvolvido, nós somos líderes nessa matéria, mas ainda temos de fazer muito mais porque estamos a falar de trilhões de euros de adaptação que serão necessários para preparar o planeta para o que já está acontecer, ao nível das alterações climáticas”.

euronews: “Enquanto estavam dentro do edifício, ativistas presentes na rua durante a COP26 questionaram a União Europeia. Há uma fotografia de Ursula Von der Leyen com uma pergunta: de que lado está? Do lado dos combustíveis fósseis ou do lado da justiça climática? O que diria?”

Frans Timmermans: “Estamos do lado da justiça climática e também da eliminação dos combustíveis fósseis. Essa formulação chegou à declaração final, algo que nunca tinha acontecido antes. E temos as políticas para apoiá-la. Somos a única parte do mundo que tem um plano para reduzir as emissões em, pelo menos, 55% até 2030. Muitos outros já declararam a neutralidade carbónica em meados do século, mas ainda não têm planos concretos para atingir essa meta e nós temos!”

Alguns países vão precisar do gás natural como fonte de energia de transição. É por isso que apoiamos alguns desses projetos. Mas não queremos que fiquem presos ao gás natural. Pode ser apenas uma solução temporária.
Frans Timmermans
vice-Presidente Executivo da Comissão Europeia responsável pelo Clima

euronews: O plano tem um ponto alto? O pacote de 'Fit for 55' vai ser adotado antes da COP27 em Sharm el-Sheikh?

Frans Timmermans: “Espero que sim. Ainda temos muito trabalho. Nem todas as propostas serão totalmente adotadas até lá, mas espero que nessa altura tenhamos chegado a um ponto de não retorno. Teremos o compromisso total do Parlamento Europeu e do Conselho, onde se reúnem todos os Estados-Membros, para com o pacote na sua globalidade. Seria extremamente importante que isso acontecesse antes da COP27”.

euronews: “Na Euronews, temos falado do aumento dos preços da energia e das empresas que produzem gás que fizeram milhares de milhões de lucro. Gostaria de perguntar por que é que a Comissão Europeia está a promover os chamados ‘novos projetos de gás de interesse comum’. Apoiaria e aprovaria o Nord Stream 2?”

Frans Timmermans: “O que temos de fazer é ajudar os países a passar do uso do carvão para as energias renováveis. Mas alguns países não conseguem fazê-lo de uma só vez. Vão precisar do gás natural como fonte de energia de transição. É por isso que apoiamos alguns desses projetos. Mas não queremos que fiquem presos ao gás natural. Pode ser apenas uma solução temporária. Vamos garantir que a nossa legislação esteja de acordo com essa finalidade, para que haja uma transição do carvão para as energias renováveis, através do gás natural, nos países em que seja necessário”.

euronews: “O gás natural pode ser considerado verde ?!”

Frans Timmermans: “Não, não pode. É um combustível fóssil”.

euronews: “Exatamente”.

Frans Timmermans: “Mas, ao mesmo tempo, é uma fonte de energia necessária para a transição ecológica”.

euronews: “E o nuclear?”

Frans Timmermans: “A energia nuclear tem a grande vantagem de não gerar emissões. É uma grande vantagem. Mas, ao mesmo tempo, baseia-se em recursos fósseis e tem um custo incrivelmente alto”.

euronews: “E o que diria o Kees sobre os resíduos radioativos do nuclear?”

Frans Timmermans: “Sim, de facto, o custo é enorme. O custo de construção das centrais nucleares está a aumentar. O custo de construção de infraestruturas para a energia renovável está a diminuir drasticamente. Quase não precisamos de dinheiro público para investir em energias renováveis. É preciso uma enormes quantidade de dinheiro público para investir na energia nuclear”.

Greta Thunberg é uma heroína, com certeza. Não teríamos qualquer Pacto Ecológico Europeu se não fosse ela e o movimento Fridays for Future.
Frans Timmermans, vice-Presidente Executivo da Comissão Europeia responsável pelo Clima

euronews: “A Europa deve proibir as empresas de combustíveis fósseis de patrocinar eventos de comunicação, culturais e desportivos?”

Frans Timmermans: “Devemos deixar claro que queremos que se deixe de investir em combustíveis fósseis e que se invista em energias renováveis. Podem ser as mesmas empresas a mudar para as renováveis. Porque não? Segundo o FMI, hoje investe-se cerca de 11 milhões de dólares por minuto em combustíveis fósseis. Isso tem de mudar rapidamente”.

euronews: “Na semana passada, houve pessoas nas ruas da Bélgica, em Bruxelas, nas ruas da Holanda e da Áustria, que saíram à rua para protestar contra as medidas de combate à Covid -19. Não foi bonito, na verdade, os manifestantes eram muito violentos. A minha pergunta é: a Europa está pronta para enfrentar uma crise climática?”

Frans Timmermans: “O mais importante é confrontar os nossos cidadãos, não apenas com o custo da transição, mas, principalmente, com o custo da não transição, que será enorme. O sofrimento humano será incomensurável se não mudarmos os nossos hábitos. É claro que a transição será difícil. É preciso ter certeza de que é justa. Temos de garantir que ninguém fica para trás. Temos de demonstrar aos cidadãos que o contributo que pedimos às pessoas é justo e que os que podem contribuir mais vão realmente dar um maior contributo e os que não podem contribuir ficarão protegidos por exemplo, da pobreza energética”.

euronews: “A pandemia de Covid-19 atrapalhou um pouco o Pacto Ecológico Europeu?”

Frans Timmermans: “É claro que a pandemia é uma das grandes preocupações das pessoas, hoje. Mas, curiosamente, todos os inquéritos de opinião mostram que a principal preocupação da maioria dos europeus é a crise climática e não a Covid-19”.

euronews: "Greta Thunberg é uma heroína?"

Frans Timmermans: "Ela é uma heroína, com certeza. Não teríamos qualquer Pacto Ecológico Europeu se não fosse ela e o movimento Fridays for Future".