This content is not available in your region

Quem vai ser o adversário de Viktor Orbán?

Access to the comments Comentários
De  Euronews
euronews_icons_loading
Quem vai ser o adversário de Viktor Orbán?
Direitos de autor  AP Photo

A Hungria está muito perto de saber o nome do adversário de Viktor Orbán nas legislativas de abril. Depois de várias fases, e de um processo inédito que envolveu seis partidos da oposição, a decisão recai entre dois candidatos: Klára Dobrev e Péter Márki-Zay.

Muitas pessoas ainda conhecem Klára Dobrev como a mulher do antigo primeiro-ministro Ferenc Gyurcsány. A candidata tem uma licenciatura em economia e direito e fala quatro línguas. É vice-presidente do Parlamento Europeu.

Dobrev defende uma política de esquerda e social-democrata. Diz que depois de 12 anos de governo Fidesz de direita, as injustiças no país tornaram-se insuportáveis e não se pode permitir que aumentem ainda mais. Sublinha que o governo húngaro gasta menos do que a média da União Europeia em saúde, educação, pensões e medidas sociais, e muito mais em corrupção através de dinheiro disfarçado em desenvolvimento económico e subsídios individuais.

Com 49 anos, Péter Márki-Zay apresenta-se como um eleitor cristão de direita dececionado com o partido de Viktor Orbán. Foi um dos fundadores do movimento Hungria para Todos, grupo apartidário que trabalha pela união dos que se opõem a Orbán. Apesar da maioria dos eleitores da oposição húngara ser de esquerda ou liberal e Péter Márki-Zay ter uma tendência conservadora, o candidato acredita que pode atrair a maioria dos eleitores. Diz que enquanto adversário de Orbán tem agora uma oportunidade muito melhor, representando uma equipa conjunta que inclui o autarca de Budapeste, para alcançar em abril de 2022 as pessoas que não votam num candidato de esquerda.

O vencedor vai liderar uma coligação de seis partidos políticos que vão da extrema-direita aos socialistas e aos ambientalistas, todos unidos contra Orbán e o seu partido.

O Fidesz dominou a política húngara durante mais de uma década e Orbán utilizou a sua maioria de dois terços no parlamento para alterar o sistema político, a fim de consolidar o seu poder e o do seu partido.

O resultado final das primárias deve ser conhecido domingo à noite. Os dois candidatos já prometeram apoiar o vencedor.