This content is not available in your region

Vítimas do óleo de coza dizem-se esquecidas pelo governo

Access to the comments Comentários
De  euronews
euronews_icons_loading
Vítimas do óleo de coza dizem-se esquecidas pelo governo
Direitos de autor  Euronews

No aniversário da maior tragédia de intoxicação alimentar da Espanha, seis sobreviventes ocuparam temporariamente o museu El Prado em Madrid.

O grupo pediu a atenção do governo e ameaçou suicidar-se com comprimidos.

Maria Luisa Fuentes, da associação “We still alive Association”, "Ainda Estamos vivos", é uma das manifestantes. Diz estar cansada de não ter a atenção que deveria. Diz-se uma "vítima" e sente-se "esquecida" pelos governantes.

A intoxicação aconteceu em 1981, quando milhares de pessoas começaram a desenvolver doenças pulmonares que mais tarde foram ligadas com a ingestão do oléo de colza. Estima-se que 20 mil pessoas tenham sido envenenadas e mais de três mil tenham morrido.

Carmen Cortes, coordenadora da associação "Ainda estamos vivos", diz que as tentativas de contacto com o governo foram inúmeras e sem sucesso. Cortes diz que o protesto, 40 anos depois, serve para pedir a atenção, numa sociedade que diz ser "mais justa e democrática".

Os seguranças do museu tentaram retirar os manifestantes à força, os quais resistiram. A polícia foi chamada a intervir. Dois dos seis sobreviventes foram detidos mas todos saíram ilesos do protesto.

Em três horas, o museu voltou à normalidade.