Ascensão e queda da "geringonça"

António Costa
António Costa Direitos de autor MIGUEL A. LOPES/EPA/LUSA
De  Ricardo Figueira
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Oposição do PCP e do Bloco de Esquerda à proposta de Orçamento de Estado marca o fim do acordo que marcou a política portuguesa dos últimos anos.

PUBLICIDADE

Foi em 2015 que uma nova palavra entrou para o dicionário da polí tica portuguesa: "Geringonça" foi o nome dado pelo então líder do CDS Paulo Portas ao governo do PS de António Costa.

Apesar de não ter sido o mais votado nessas eleições, o executivo socialista conseguiu governar quatro anos graças a um acordo escrito com os principais partidos à esquerda: PCP, Verdes e Bloco de Esquerda. O nome ficou.

Quatro anos depois, em 2019, o PS ganha a maioria relativa, mas já não consegue um apoio tão sólido dos até então parceiros, apenas um apoio tácito, sem ter garantida a aprovação dos orçamentos e sem excluir entendimentos à direita. É o começo do fim da "geringonça".

A necessidade de estabilidade política, em plena recuperação da crise dos anos anteriores, viu-se reforçada com a chegada da pandemia.

Passados os tempos mais conturbados, surge um orçamento que, para o PS, é "o mais à esquerda de sempre". Mas nem o PCP nem o Bloco de Esquerda são dessa opinião, já que pedem uma melhor distribuição dos fundos da chamada "bazuca" europeia.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Arranca campanha eleitoral em Portugal com apelo ao voto antecipado

Marcelo marca eleições que "todos dispensavam"

Quem são os novos ministros do Governo de Luís Montenegro