EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Lukashenko ameaça cortar gás à União Europeia

Lukashenko ameaça cortar gás à União Europeia
Direitos de autor AP Photo/Nikolay Petrov/BelTA
Direitos de autor AP Photo/Nikolay Petrov/BelTA
De  Teresa Bizarro com Agências
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Presidente bielorrusso reage à possibilidade de um agravamento de sanções por parte da comunidade internacional que o acusa de instrumentalizar migrantes nas fronteiras com a UE

PUBLICIDADE

Bruxelas já não tem rodeios e está a tratar o movimento de migrantes clandestinos vindos da Bielorrússia como um ataque. Polónia, Letónia e Lituânia estão a braços com um fluxo migratório sem precedentes.As temperaturas abaixo de zero não chegam para travar a caminhada de milhares de pessoas que tentam entrar no espaço dos 27. O patrulhamento reforçado das linhas de fronteira também não.

Perante a possibilidade de ficar ainda mais isolado, o presidente bielorrusso ameaça cortar o fornecimento de energia à Europa. 

"Aumentámos os volumes de gás natural bombeado através da Bielorússia. O gasoduto para a Europa está cheio. Estamos a aquecer a Europa e eles ameaçam fechar a fronteira. E se bloquearmos o fornecimento de gás natural?," ameaçou Alexander Lukahsenko durante uma reunião com o seu gabinete esta quinta-feira.

Primeiro-ministro polaco conta com o apoio da UE e da NATO

Ameaças inaceitáveis para a União Europeia. Para sublinhar a divergência, o presidente da Alemanha recebeu a líder da oposição bielorrussa no exílio. Ao mesmo tempo, no parlamento, o ministro alemão dos Negócios Estrangeiros era categórico: acabou o tempo das palavras.

"Estamos numa situação em que podemos sentir ser emocionalmente adequado insultar o senhor Lukashenko, mas isso já não é suficiente. Encontramo-nos numa situação em que já deviam ter sido aplicadas consequências efetivas. E é isso que queremos fazer, juntamente com os nossos parceiros europeus," declarou Heiko Maas.

A maior parte dos migrantes e refugiados que atravessam a fronteira bielorrussa vem originalmente do Iraque e da Síria. Receberam esta quinta-feira a primeira ajuda humanitária das agência das Nações Unidas.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Prisioneiro político bielorrusso morre por alegada falta de cuidados médicos

Milhares de polacos marcharam contra o aborto em Varsóvia

Novo governo polaco traz esperança à comunidade LGBT