This content is not available in your region

Cruzar o Atlântico "ao sabor do vento"

Access to the comments Comentários
De  Nara Madeira  com AFP
euronews_icons_loading
Oceano Atlântico, Portugal
Oceano Atlântico, Portugal   -   Direitos de autor  Euronews/AFP

Chama-se Francisco Lufinha, tem 37 anos, e como fizeram muito navegadores portugueses, há muitos séculos atrás, vai cruzar o oceano Atlântico e superar novos desafios. O kitesurfer luso partirá de Lisboa rumo às Caraíbas em solitário. Uma viagem de 6.700 quilómetros, sem paragens e sem barco de apoio. Espera-se que a partida, num barco construído de propósito para a viagem, aconteça ainda este mês, quando é imprevisível. Nas redes sociais Lufinha explicava que a partida já deveria ter acontecido mas que sem vento é impossível pôr o kite no ar e, por isso, é preciso esperar.

Sobre esta "vela" que não é uma vela, mas sim um kite, como num papagaio mas muito maior, Lufinha explicava que a "vantagem" em relação ao que é, de facto, uma vela "é que, com a mesma área, pode ter 10 vezes mais força porque pode-se movê-lo no ar e isso cria uma espécie de vento que empurra o barco mais rapidamente. Por outro lado, o kite é mais difícil de manobrar porque é muito instável no ar. É preciso prestar muita atenção, essa é a outra face da moeda".

A expectativa e a apreensão são grandes mesmo para alguém que que detém o recorde mundial da maior viagem de kitesurf sem paragens, desde 2015. A motivação"\_para esta missão no Atlântico é continuar a ultrapassar os meus limites, superar desafios extremos e unir as minhas capacidades de velejar com as do kitesurf e os recordes que já atingi"_, explicava. Acrescentando que, ao mesmo tempo, quer "fazer passar uma mensagem desustentabilidade dos oceanosàs crianças e também aos adultos". Enquanto admitia ter "muito medo dos contentores perdidos no oceano" porque se "embater num deles" com o barco feito de fibra de vidro, "ele vaiafundar\_. Qualquer outro tipo de lixo no oceano, são um dos meus maiores problemas durante esta travessia"_, desabafava, ainda assim ansioso por se fazer ao mar.

E tudo foi pensado ao mínimo pormenor. Francisco Lufinha será navegador, eletricista, mecânico, se necessário for, para cumprir mais um sonho. Uma aventura que é, para o lisboeta, "o desafio mais arrojado" que se propôs concretizar até hoje.

Editor de vídeo • Nara Madeira