Protestos contra restrições sanitárias acabam em violência

Protestos degeneraram no centro de Roterdão
Protestos degeneraram no centro de Roterdão Direitos de autor Media TV Rotterdam/ASSOCIATED PRESS
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Vários feridos em Roterdão e destruição em território francês.

PUBLICIDADE

Começou como um protesto contra mais restrições sanitárias, terminou em confrontos com a polícia, tendo sido disparados tiros de aviso, e que resultaram em vários feridos. Aconteceu durante a noite no centro da cidade de Roterdão, na sequência do anúncio do governo dos Países Baixos, que veio reimpor medidas como o encerramento de bares e restaurantes às 8 da noite.

Também na ilha caribenha de Guadalupe, território ultramarino francês, as manifestações têm degenerado em violência. Fala-se já numa "insurreição" contra o passe sanitário e o recolher obrigatório às 6 da tarde.

CARLA BERNHARDT/AFP
Barricada na ilha de GuadalupeCARLA BERNHARDT/AFP

Na França continental, os números não param de aumentar. Mais de 21 mil novos casos de Covid no espaço de um dia e alertas de especialistas, que avisam que a contagem pode ser quatro vezes maior por altura do Natal.

Pelo mesmo motivo, os famosos mercados natalícios na Alemanha estão já a ser desmantelados. O cenário de confinamento geral está em cima da mesa. A Áustria já avançou nesse sentido. Nas ruas de Viena, havia transeuntes a considerar que "é a medida certa" e que "era uma decisão mais do que previsível porque, na verdade" - salienta-se - "já deviam ter sido impostas mais restrições antes".

O confinamento começa na próxima segunda-feira. O governo austríaco declarou também que a vacinação contra a Covid será obrigatória a partir de fevereiro do próximo ano.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Primeiro-ministro holandês chama "idiotas" a manifestantes violentos

Protestos contra novas restrições aumentam na Europa

Agricultores franceses mantêm protestos apesar de novas medidas do governo