Novo confinamento na Áustria

Novo confinamento na Áustria
Direitos de autor Olivier Matthys/Copyright 2021 The Associated Press. All rights reserved
De  Patricia Tavares
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Viena torna vacinação contra Covid-19 obrigatória em 2022.

PUBLICIDADE

Novo confinamento na Áustria. A baixa taxa de vacinação levou a um número recorde de infeções por Covid-19 no país e o território instaura medidas mais drásticas, pela quarta vez. As autoridades de Viena também decidiram tornar a vacinação obrigatória em 2022.

As novas restrições vão permanecer em vigor até ao dia 13 de dezembro. A época de Natal será interrompida e muitos austríacos quiseram aproveitar o último dia de normalidade. Muitas pessoas estão conformadas, mas os comerciantes estão descontentes. Tiveram lugar manifestações em várias cidades, incluindo Salzburgo e Linz - os manifestantes rejeitam um novo confinamento e a obrigatoriedade da vacina. Em Bruxelas, protestos pacíficos contra as novas restrições instauradas pelas autoridades belgas transformaram-se, rapidamente, em confrontos violentos. A polícia recorreu a gás lacrimogéneo para restabelecer a ordem. A Bélgica torna o teletrabalho obrigatório durante a maior parte da semana e reforça a utilização de máscaras depois o número de casos de Covid-19 ter atingido níveis preocupantes.

A Chéquia também vai aplicar regras mais duras, principalmente entre população não vacinada. Os testes da Covid-19 com resultado negativo deixam de ser válidos para entrar em determinados estabelecimentos comerciais ou em restaurantes. E, a partir desta segunda-feira, as empresas serão obrigadas a testar semanalmente os trabalhadores não vacinados.

A Alemanha já tinha implementado medidas mais rigorosas: como o encerramento de alguns locais públicos e mais controlos sobre as pessoas não vacinadas.A baixa taxa de vacinação no país acende o debate: as autoridades alemãs estão a refletir se também devem tornar a vacina obrigatória.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

OMS prevê mais 700 mil mortes com Covid-19 na Europa até à primavera

População da China diminui pelo segundo ano consecutivo

Rishi Sunak pede desculpa aos familiares das vítimas da Covid-19