Dezenas de migrantes perderam a vida num naufrágio no Canal da Mancha

Dezenas de migrantes perderam a vida num naufrágio no Canal da Mancha
Direitos de autor Michel Spingler/AP
De  Patricia Tavares
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Compromisso entre Paris e Londres na luta contra o tráfico humano.

PUBLICIDADE

Confrontados com uma tragédia sem precedentes, França e o Reino Unido dizem-se prontos a intensificar a luta contra o tráfico humano no Canal da Mancha. Na quarta-feira à noite, 27 migrantes morreram afogados e os corpos chegaram a Calais.

As autoridades acreditam que a maior parte são oriundos do Iraque e do Irão. O bote que os transportava afundou-se por motivos ainda desconhecidos. Dois sobreviventes foram hospitalizados e as equipas de socorro ficaram em estado de choque.

No mar, foi dramático. Havia corpos a flutuar, foi muito, muito chocante. Recuperámos todas as pessoas que vimos a bordo. Recuperámos seis pessoas.
Charles Devos
Gerente Regional Associação de barcos salva-vidas - SNSM

Aproximadamente 50 pessoas prestaram homenagem às vítimas acendendo velas, em Calais. O Presidente de França, Emmanuel Macron, reagiu dizendo que não vai permitir que o Canal se transforme num cemitério.

É grave. Não é normal que isto aconteça e não é normal que, a nível político, estejamos neste ponto hoje em dia. Não é normal, e isto deixa-me enraivecido.
Mehdi Dimpre
Residente em Calais

As associações que prestam ajuda aos migrantes pedem contas ao governo. O Ministro do Interior de França, Gérald Darmanin, deslocou-se até ao local, para acompanhar a situação. 

Os corpos dos migrantes afogados foram encontrados por um pescador que alertou as autoridades.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Migração ilegal no Canal da Mancha na mira de França

Velha guarda do rock em peso na abertura da Gibson Garage

Notas com cara de Carlos III entram em circulação em junho