This content is not available in your region

Países reagem à nova variante considerada "preocupante" pela OMS

Access to the comments Comentários
De  euronews  com Lusa
euronews_icons_loading
Países reagem à nova variante considerada "preocupante" pela OMS
Direitos de autor  Peter Kneffel/dpa via AP

A Organização Mundial de Saúde colocou a nova variante no nível máximo de alerta e são cada vez mais os países a cancelar voos para a África Austral. 

A nova variante do coronavirus foi classificada como "preocupante" pela OMS. Batizada de Omicron, tem um grande número de mutações e pode reduzir a eficácia das vacinas. Foi detetada pela primeira vez na África do Sul e já chegou à União Europeia. Há um caso na Bélgica.

O ministro da saúde Frank Vandenbroucke confirmou numa conferência de imprensa que a nova variante foi detetada numa pessoa que tinha viajado recentemente, que não estava vacinada nem nunca tinha testado positivo para a covid-19.

A Bélgica decidiu encerrar bares, restaurantes e discotecas durante três semanas.

Vários países já cancelaram viagens para a África Austral

Os Estados Unidos e a Rússia são os mais recentes países a anunciarem restrições à entrada de estrangeiros provenientes da África do Sul, Moçambique e de outros países da região devido ao surgimento da nova variante do coronavírus.

Os Estados Unidos foram o mais recente país a anunciar novas medidas, com o encerramento das fronteiras aos viajantes provenientes de oito países da África Austral. 

A partir de segunda-feira a entrada em território norte-americano fica interdita a pessoas provenientes da África do Sul, do Botswana, Lesoto, Namíbia, Zimbabué, Moçambique, Esuatini (antiga Suazilândia), e Malawi, declarou um responsável oficial.

Apenas os cidadãos norte-americanos e os residentes permanentes nos Estados Unidos serão autorizados a entrar no país, precisou.

Esta decisão surge poucos dias após o Presidente dos EUA, Joe Biden, ter anunciado a reabertura, no início de novembro, das fronteiras do país aos viajantes de todo o mundo, após 20 meses de restrições.

No caso da Rússia, uma medida semelhante irá afetar os cidadãos do Botswana, Lesoto, Namíbia, Zimbabué, Moçambique, Madagáscar, Esuatini (antiga Suazilândia), Tanzânia, e ainda Hong Kong, indicou hoje o centro operativo de luta contra o coronavírus.

A decisão também se aplicará aos estrangeiros que tenham permanecido nesses países nos últimos dez dias.

O Rospotrebnadzor, organismo russo responsável pela proteção do consumidor, terá ainda de organizar testes rápidos para os cidadãos russos que regressem desses países, para além dos provenientes do Reino Unido, China e Israel, indicou a agência noticiosa Interfax.

Também o Canadá anunciou hoje que vai proibir a entrada no país de todos os estrangeiros que nos últimos 14 dias viajaram por sete países da África Austral.

Em conferência de imprensa,o ministro canadiano da Saúde, Jean-Yves Duclos, referiu ainda que todos os canadianos que viajaram por países da África Austral precisarão de um teste negativo antes de embarcarem para o Canadá e, uma vez no país, terão que fazer quarentena e novo teste para o vírus.

No continente asiático, as Filipinas também anunciaram a suspensão dos voos provenientes da África do Sul e onde foi detetada a nova variante do coronavírus, indicou um porta-voz do Presidente Rodrigo Duterte.

“A suspensão dos voos internacionais provenientes da África do Sul, do Botswana e de outros países que apresentam caso locais ou probabilidades de surgimento da variante B.1.1.529 (…) entra de imediato em vigor”, declarou em comunicado o porta-voz Karlo Nograles.

O receio da nova variante do novo coronavírus, aparentemente mais transmissível, tem levado diversos países a suspender as viagens oriundas de países da África Austral.

Cientistas e autoridades de saúde da África do Sul reportaram, na quinta-feira, a deteção de uma nova variante do novo coronavírus, identificada como B.1.1.529.

Poucos casos desta variante foram confirmados até agora noutros lugares fora de África, mas começam a crescer as preocupações com o seu possível impacto na transmissibilidade e na sua capacidade potencial de escapar ao efeito das vacinas para já desenvolvidas.

Por esta razão, vários países decidiram hoje suspender os voos oriundos da África Austral: França, Itália, Reino Unido, Alemanha, Países Baixos, Singapura, Áustria e Israel são alguns dos países que optaram por suspender estas viagens.

O grupo de Resposta do Conselho a situações de crise (IPCR), juntando Estados-membros da União Europeia (UE), instituições europeias e especialistas, reuniu-se esta tarde e “concordou com a necessidade de ativar o mecanismo travão de emergência e impor restrições temporárias a todas as viagens para a UE a partir da África Austral”, segundo a presidência eslovena do Conselho da UE.