Vladimir Putin e Joe Biden discutem situação da Ucrânia em vídeoconferência

Vladimir Putin e Joe Biden discutem situação da Ucrânia em vídeoconferência
Direitos de autor Pavel Golovkin/ AP
De  Bruno Sousa
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Casa Branca ameaça sancionar a Rússia em caso de ofensiva militar na Ucrânia, Kremlin quer a NATO longe da fronteira russa

O telefone vermelho entre Moscovo e Washington deu lugar às novas tecnologias mas mesmo na era digital, há coisas que não mudam e a ligação entre Rússia e Estados Unidos continua a desempenhar um papel fundamental na diplomacia mundial.

PUBLICIDADE

Esta terça-feira, Vladimir Putin e Joe Biden estiveram duas horas à conversa, com o presidente norte-americano a mostrar a preocupação com a crescente tensão na Ucrânia, deixando claro que os Estados Unidos não hesitariam em sancionar a Rússia, economicamente e não só, em caso de ofensiva militar.

Já o chefe de Estado russo pediu garantias que a NATO não se expandiria para leste nem reforçaria a presença militar junto às fronteiras russas.

No final da conversa, tudo na mesma. Em declarações à euronews, Andrey Kortunov, analista do centro de estudos Russian International Affairs Council, explicou os cenários que podem levar a uma mudança de status quo:

"Há duas linhas vermelhas claras para a Rússia. Em primeiro, uma ofensiva relevante da Ucrânia a leste com o objetivo de recuperar a região de Donbass ou pelo menos de mudar o balanço das forças na região a seu favor.

E em segundo, mesmo que todos percebam que a Ucrânia não vai entrar na NATO a curto prazo, se essa oportunidade se apresentar, então esta é uma linha vermelha que pode levar a Rússia a agir definitivamente."

Enquanto Putin e Biden esgrimem argumentos no conforto do lar, no terreno, apesar das baixas temperaturas, também não se pode falar de guerra fria. Esta semana, o presidente ucraniano Volodymyr Zelensky assinalou o dia das Forças Armadas do país com uma visita às tropas que se encontram na linha da frente.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

NATO ameaça Moscovo com sanções

Kiev pede reforço da presença da NATO perante ameaça de invasão russa

Futuro da NATO em análise em Bruxelas