Boris Johnson desculpa-se perante o parlamento

Boris Johnson enfrenta onda de indignação por alegações de desrespeito por regras sanitárias
Boris Johnson enfrenta onda de indignação por alegações de desrespeito por regras sanitárias Direitos de autor Kirsty Wigglesworth/Copyright 2022 The Associated Press. All rights reserved
Direitos de autor Kirsty Wigglesworth/Copyright 2022 The Associated Press. All rights reserved
De  Nara Madeira com AP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Boris Johnson desculpa-se por aquilo que chamou de encontro de trabalho que terminou nos jardins de Downing Street sem respeito por regras sanitárias

PUBLICIDADE

Depois de muita polémica - sobre um encontro em Downing Street durante um dos período mais críticos da pandemia, no Reino Unido, que Boris Johnson disse ser de trabalho mas sem conseguir convencer muitos - surge um pedido de desculpas perante o parlamento. 

O primeiro-ministro admite que para os britânicos - impedidos de estar com os seus familiares e que não puderam dizer adeus a muitos deles que sucumbiram à doença - pode ter sido difícil de entender. Boris Johnson dizia ter aprendido "o suficiente para saber que há coisas" que fizeram "erradamente" e assumiu "a responsabilidade".

Para Jonhson o jardim era uma extensão do escritório e saíram para o exterior apenas 25 minutos, antes de regressarem ao trabalho.

Mas para o líder da oposição pedir desculpas não chega. Keir Starmer, do partido Trabalhista, afirmava que "após meses de engano e deceção", aconteceu um "espectáculo patético de um homem que não sabe o que fazer. A coisa decente a fazer é demitir-se", afirmava Starmer.

Mas o chefe do executivo não mostrou qualquer intenção de deixar o cargo. Limitou-se a dizer é preciso esperar pelos resultados do inquérito independente.

No início da semana, os media britânicos falavam de um email interno de Downing Street enviado pelo secretário de Johnson a uma centena de funcionário convidando-os para uma festa nos jardins da residência oficial do primeiro-ministro a 20 de Maio de 2021.

Entretanto, um juiz do Supremo Tribunal decidiu que o executivo britanico cometeu uma ilegalidade durante a pandemia ao comprar mais de 32 mil milhões de artigos, directamente, através de contratos adjudicados no valor de quase 17 mil milhões de euros.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Boris Johnson corta financiamento à BBC numa altura em que é pressionado para se demitir

Boris Johnson debaixo de fogo

Boris Johnson pede paciência aos britânicos