Bloco de Esquerda e CDU queixam-se de "bipolarização forçada"

Esquerda queixa-se de "bipolarização forçada"
Esquerda queixa-se de "bipolarização forçada" Direitos de autor Armando Franca/The Associated Press
De  Bruno Sousa com Lusa
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Partidos da "geringonça" justificam resultados aquém das expetativas com voto útil na esquerda socialista

PUBLICIDADE

Bloco de Esquerda e CDU desempenharam um papel fundamental nos governos da "Geringonça" e foi o seu chumbo do Orçamento de Estado proposto pelo PS que acabou por ditar eleições antecipadas este domingo. A projeção à boca das urnas indica que os dois partidos deram um trambolhão nas preferências dos portugueses, tendo sido ultrapassados quer pelo Chega, quer pela Iniciativa Liberal.

Na hora de assumir a derrota, queixaram-se ambos da "bipolarização artifical" que deu origem a um "voto útil" na esquerda socialista.

Para o líder parlamentar bloquista, Pedro Filipe Soares, “a estratégia criada pelo PS de chantagem para o país parece ter tido algum sucesso com uma ajuda que não é despiciente de uma bipolarização forçada, criada ao longo das últimas semanas e que aparentemente teve sucesso na criação de um voto útil à esquerda”.

Já o dirigente comunista, Jorge Pires, referiu que “tudo indica que estas eleições dão um resultado muito expressivo ao PS e isto, num quadro de uma fortíssima bipolarização artificial, como demonstram os resultados do PSD, serviu, sobretudo, para prejudicar a votação da CDU”.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Legislativas2022: PS garante maioria absoluta e Chega soma 12 deputados

O primeiro dia do resto da maioria

Luís Montenegro atingido com tinta verde por ativistas do clima