Protestos em Myanmar

Protestos em Myanmar
Direitos de autor AFP
Direitos de autor AFP
De  euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Birmaneses protestam contra violência e repressão do regime militar que usurpou o poder há um ano

PUBLICIDADE

Dezenas de pessoas protestaram, esta terça-feira, em Mandalay, a segunda cidade de Myanmar, contra a junta militar que tomou de assalto o poder no país, há um ano.

O sercretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, escreveru, no Twitter, que, neste período, após o golpe de Estado que depôs Aung San Suu Kyi, se assistiu, na antiga Birmânia, a "uma intensificação da violência, a um aprofundamento das crises humanitárias e dos Direitos Humanos e a um rápido aumento da pobreza".

Um birmanês revela que um ano após o golpe militar, Myanmar continua a assistir, todos os dias ao assassinato de muitas pessoas e reclama que "o mundo não está a ver. O conselho militar continua a cometer crimes contra a Humanidade como prender civis, queimar aldeias durante a guerra com as Forças de Defesa Popular em áreas étnicas." O homem conclui que o povo birmanês continua a "enfrentar torturas, mortes e opressão".

A oposição ao regime militar assinalou o aniversário do Golpe de Estado com uma greve geral em todo o país, como forma de demonstração de união, força e solidariedade. Muitas cidades ficaram, esta terça-feira, praticamente desertas.

Nos últimos dias, numa ação preventiva para gorar os planos para a greve, dezenas de pessoas foram detidas, mas a população não desiste, como sublinha uma jovem birmanesa.

"Os jovens de Myanmar experimentaram o sabor da liberdade e da tecnologia, nos últimos anos, e nós só queremos seguir este caminho, não queremos saltar de novo para um buraco negro. Se estivermos a viver sob o conselho militar, as nossas almas estarão mortas. Não teremos nenhuma oportunidade ou hipóteses nas nossas vidas".

Desde que os militares tomaram o poder, há um ano, estima-se que cerca de 1500 civis tenham sido assassinados, mais de 11700 foram detidos em há mais de 400.000 pessoas deslocadas.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Exército de Myanmar acusado de incendiar casas

Primeiro contingente de tropas da Alemanha chega a Vilnius para reforçar flanco leste da NATO

Porta-voz do exército israelita: "Pode haver um cessar-fogo hoje ou daqui a um ano".