O inevitável fim dos recifes de coral

Recife de coral em Matemwe, Zanzibar
Recife de coral em Matemwe, Zanzibar Direitos de autor SUMY SADURNI/AFP
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Cientistas dizem que organismos vão desaparecer face ao aquecimento dos oceanos

PUBLICIDADE

Estarão os recifes de coral condenados a desaparecer? Segundo um estudo recente, é inevitável que isso aconteça.

A uma só voz, um grupo de cientistas do Reino Unido, Austrália e Estados Unidos declarou que os corais a maior profundidade, ou seja, a mais de 30 metros - como o que foi descoberto recentemente no Tahiti - vão deixar de ser um refúgio para as espécies que abandonam os mesmos organismos mais à superfície quando estes se tornam insustentáveis.

O aquecimento da água dos oceanos é o fator responsável pelo chamado branqueamento dos corais. A verdade é que são eles que abrigam cerca de 25% da flora e fauna marinhas. 

E o fenómeno de stress térmico vai acontecer mesmo que os objetivos do Acordo de Paris sejam cumpridos, e que o aumento da temperatura global não ultrapasse o 1,5°C, o que também parece improvável.

Estima-se que o desaparecimento dos corais deixe desprovidos de fontes de alimento mais de 500 milhões de pessoas, de países dependentes dos recursos marítimos.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Poluição dos oceanos em debate na Conferência Ministerial da Organização Mundial do Comércio

Quase metade dos animais migratórios estão em risco

A bordo do laboratório científico flutuante que percorre a costa europeia