Os sonhos que o Alqueva levou e trouxe

Paredão da barragem do Alqueva
Paredão da barragem do Alqueva Direitos de autor NUNO VEIGA/LUSA
De  Nuno PrudêncioLusa
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Passam duas décadas da criação da barragem que ainda gera polémica

PUBLICIDADE

Foi há 20 anos que a Aldeia da Luz começou a ser engolida pelas águas para dar lugar ao maior lago artificial da Europa.

Nos sonhos, continuo ali. Não se sonha com esta aldeia.
Ermelinda Godinho
Residente da Aldeia da Luz (da nova e da antiga)

As comportas da barragem do Alqueva, no Alentejo, encerraram-se precisamente a 8 de fevereiro de 2002. Os habitantes foram levados para uma nova aldeia construída de raiz, a escassos quilómetros. 

Mas virar a página não é expressão que pegue por estas bandas. Afinal, os sonhos falam mais alto. “A gente ainda hoje quando sonha, é sempre na aldeia velha, corre a gente aquelas ruas todas e é sempre os sítios que a gente conhecia tão bem. Nos sonhos, continuo ali. Não se sonha com esta aldeia", diz Ermelinda Godinho, de 78 anos.

E prossegue: "O que custou mais... Foi tudo, a trasladação dos mortos, dos nossos entes queridos... foi a mais chocante, foi essa".

Hoje em dia, a certeza da água abre-nos a porta a podermos fazer investimento quase com a certeza de que iremos ter o retorno desse investimento.
António Vieira Lima
Agricultor da vila de Cuba

Já foram investidos mais de 2 mil milhões de euros no Alqueva, que fornece água a cerca de 200 mil habitantes e a transporta até 130 mil hectares de terrenos

Foi a salvação, dizem agricultores como António Vieira Lima, da vila de Cuba. “No passado, tínhamos sempre a insegurança de se chove, se não chove, se temos água, se não temos água, e hoje em dia a certeza da água abre-nos a porta a podermos fazer investimento quase com a certeza de que iremos ter o retorno desse investimento”, considera.

Em termos ambientais, não há consenso. Critica-se a canalização da água para as grandes multinacionais em detrimento dos pequenos agricultores. E lançam-se alertas sobre a degradação da qualidade da água a longo prazo.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Mina de lítio não convence população de Covas do Barroso

Ativistas ambientais juntam 650 mil beatas de cigarros em Lisboa

Maior feira de viagens do mundo destaca tendências do turismo