Tropas posicionam-se à volta da Ucrânia

Tropas posicionam-se à volta da Ucrânia
Direitos de autor EV - Euronews
Direitos de autor EV - Euronews
De  Teresa Bizarro com Agências
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Já se fala na "maior crise de segurança na Europa" nas últimas décadas. A agitação diplomática entre Rússia e Ucrânia mantém-se, mas há cada vez mais tropas no terreno

PUBLICIDADE

Seis navios de assalto anfíbios da marinha russa chegaram a Sebastopol, a maior cidade da Crimeia, esta quinta-feira. A escolha da península não é inocente. A Ucrânia perdeu a capacidade de gerir a Crimeia em 2014.

Rússia e a Bielorrússia iniciaram entretanto uma série de treinos no terreno. Moscovo terá posto 30 mil militares em território bielorrusso, junto à fronteira ucraniana. Apesar do reforço visível do dispositivo militar, o presidente russo diz que ainda acredita numa solução diplomática.

No final de uma reunião com o homólogo do Cazaquistão, Putin fez questão de dizer que "as negociações com os parceiros europeus e americanos estão em curso" e que Moscovo está "a preparar a resposta à NATO e a Washington".

"Acordámos com o Presidente da França que ele nos contactaria após uma série de consultas não só em Kiev mas também nos países europeus, com parceiros americanos," acrescentou o chefe de Estado russo.

"A maior crise de segurança" na Europa

O primeiro-ministro britânico considerou que a Europa atravessa "a maior crise de segurança" das últimas décadas e que "este é provavelmente o momento mais perigoso".

Esta quinta-feira, Boris Johnson enviou a ministra dos Negócios Estrangeiros a Moscovo, reuniu-se em Bruxelas com o secretário-geral da NATO e visitou a Polónia a quem prometeu enviar tropas.

Um gesto que o governo de Varsóvia agradece. "O objectivo político de Putin é desmantelar a NATO. É por isso que precisamos de ser muito determinados em mostrar a coerência da aliança, o quanto estamos juntos, e compreendemos muito bem as tensões no flanco oriental da NATO," diz Mateusz Morawiecki, primeiro-ministro polaco.

Os Estados Unidos já enviaram tropas para a Polónia e para a Roménia. Está previsto o reforço da defesa da aliança com contingentes britânicos e holandeses na Estónia e na Lituânia.

Os países bálticos assumem-se particularmente vulneráveis. Os líderes foram recebidos pelo chanceler alemão num gesto de apoio e unidade.

Para Olaf Scholz, "nesta situação crítica para todos, a Rússia não deve subestimar a nossa unidade e determinação, como parceiro na União Europeia e como aliado na NATO".

A Rússia concentrou mais de 100 mil soldados perto da fronteira da Ucrânia, mas assegura não ter nenhuma invasão planeada. Quer garantias do Ocidente de que a NATO não abre a porta à Ucrânia e outras antigas repúblicas soviéticas.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

EUA alertam para invasão iminente da Ucrânia

Ucrânia aposta na indústria de defesa nacional enquanto aguarda por mais munições dos aliados

Kiev volta a estar debaixo de fogo: ataque russo com mísseis hipersónicos faz pelo menos 7 feridos