This content is not available in your region

BioNTech quer levar para África unidades de produção móvel de vacinas

Access to the comments Comentários
De  Euronews
euronews_icons_loading
BioNTech quer levar para África unidades de produção móvel de vacinas
Direitos de autor  AP Photo

A BioNTech, que juntamente com a Pfizer desenvolveu a primeira vacina RNA mensageiro contra o coronavírus, apresentou unidades móveis de produção de vacinas alojadas em contentores, com o objetivo de levar o fabrico para África em "meados deste ano".

A empresa disse que espera enviar os chamados "BioNTainers" para o Ruanda ou Senegal, ou para ambos os países.

No anúncio no local de produção da vacina da BioNTech em Marburg, Alemanha, que usa o RNA mensageiro, marcaram presenca os presidentes do Ruanda (Paul Kagame), Senegal (Macky Sall) e Gana (Nana Akufo-Addo), e o diretor dos Centros Africanos de Controlo de Doenças e Prevenção (John Nkengasong), além de Ugur Sahin, CEO e co-fundador da BioNTech.

Tedros Adhanom Ghebreyesus, diretor-geral da Organização Mundial de Saúde traçou o cenário actual: 

116 países podem não atingir a meta de 70% que estabelecemos para nós mesmos até meados deste ano. Isto tem de ser resolvido. É por isso que aumentar a produção local é fundamental para preencher essa lacuna
Tedros Adhanom Ghebreyesus
Diretor-geral da Organização Mundial de Saúde

No início deste mês, a empresa de biotecnologia sul-africana Biologics anunciou que produziu a primeira vacina contra o coronavírus do continente baseada na tecnologia mRNA, usando o código genético disponível publicamente usado pela rival da BioNTech, Moderna.

A África é o continente menos vacinado contra a COVID-19. Mais de um ano depois do lançamento no mercado das primeiras vacinas apenas cerca de 12% dos africanos receberam todas as doses.