EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

António Costa: "O melhor símbolo da paz é o investimento na educação"

António Costa e Ulisses Correia e Silva durante a VI Cimeira entre Cabo Verde e Portugal
António Costa e Ulisses Correia e Silva durante a VI Cimeira entre Cabo Verde e Portugal Direitos de autor ELTON MONTEIRO/ LUSA
Direitos de autor ELTON MONTEIRO/ LUSA
De  Bruno Sousa
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Primeiro-ministro português concluiu em Cabo Verde uma visita de três dias a África e que já o tinha levado à Guiné-Bissau

PUBLICIDADE

António Costa concluiu esta segunda-feira em Cabo Verde uma visita de três dias ao continente africano, que já o tinha levado à Guiné-Bissau. Além das visitas de Estado, esteve com o Presidente, José Maria Neves e o primeiro-ministro, Ulisses Correia e Silva, o primeiro-ministro português visitou a Escola Portuguesa de Cabo Verde. Uma instituição de ensino financiada por Portugal que se encontra em funcionamento desde 2016 e que conta com perto de 900 alunos do pré-escolar ao 10.º ano.

Foi nesta escola que o chefe de governo português sublinhou que "nestes momentos, onde as imagens da televisão só nos trazem o horror da guerra, é mais importante do que nunca podermos ver melhor que o símbolo da paz é o investimento na educação e no futuro das nossas crianças".

Um sentimento partilhado pelo seu homólogo cabo-verdiano: "São investimentos deste tipo que fazem crescer os países. A educação é por demais evidente o motor de tudo."

A educação e a saúde compõem os dois eixos fundamentais do novo Programa Estratégico de Cooperação entre os dois países, assinado durante a VI Cimeira entre Cabo Verde e Portugal e que prevê o investimento de 95 milhões de euros até 2026.

A próxima cimeira entre os dois países está marcada para 2024 em Portugal.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Portugal apoia transição energética de Cabo Verde

Cabo Verde oficialmente livre de malária

Crianças ucranianas enfrentam traumas devido ao conflito com a Rússia