EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Um milhão de refugiados ucranianos na Polónia

Um milhão de refugiados ucranianos na Polónia
Direitos de autor AFP
Direitos de autor AFP
De  euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Atravessar as fronteiras traduz-se numa viagem rumo ao desconhecido.

PUBLICIDADE

Um milhão e meio de pessoas fugiu da guerra na Ucrânia para os países vizinhos em 10 dias. É este o balanço do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados. E, aproximadamente 1 milhão destas pessoas procuraram abrigo na Polónia. A maior parte são mulheres e crianças. 

As famílias são separadas. Os homens são obrigados a ficar para trás para lutar pelo país, mas uma família teve mais sorte: a de Yevhen Chonomordenko, um cidadão ucraniano que se encontrava na Polónia quando a guerra começou. Tem estado trabalhar no país a instalar painéis solares. Depois de 11 dias de intensa espera reuniu-se, finalmente, com a mulher Alina e com os seus dois filhos pequenos que partiram de Kiev e conseguiram chegar até à fronteira polaca. Yevhen diz ter dúvidas sobre se um dia poderá regressar à Ucrânia - por agora a sua maior prioridade é encontrar um local seguro onde a família possa viver.

Para a maior parte dos refugiados, atravessar a fronteira traduz-se numa viagem rumo ao desconhecido. A Hungria, que até agora viu chegar mais de 120 mil pessoas, colocou voluntários e intérprete s a recebê-las. As pessoas são controladas e registadas em pontos específicos.

Os refugiados estão a ser recebidos por países como a Polónia, Hungria, Roménia e Moldávia, que fazem fronteira com a Ucrânia. Segundo o Acnur, parte também tem ido para a Rússia.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Centro cultural de Lviv transformado em polo de ajuda humanitária

G7 vai explorar formas de utilizar os ativos russos congelados para ajudar Kiev

Ataque aéreo a Kharkiv faz pelo menos sete mortos. Zelenskyy condena brutalidade russa