EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Civis continuam a abandonar Ucrânia e abrem-se novos corredores humanitários

Civis continuam a abandonar Ucrânia e abrem-se novos corredores humanitários
Direitos de autor Felipe Dana/Copyright 2022 The Associated Press. All rights reserved.
Direitos de autor Felipe Dana/Copyright 2022 The Associated Press. All rights reserved.
De  Patricia Tavares
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Kiev prepara-se para o cerco.

PUBLICIDADE

O barulho das sirenes tornou-se familiar um pouco por toda a Ucrânia. Contam-se 17 dias de guerra e a Rússia continua a avançar lenta, mas constantemente. As forças russas intensificam os ataques, agora em cidades do oeste do país. (Lutsk e Ivano-Frankivsk.)Os civis continuam a abandonar território ucraniano e abrem-se novos corredores humanitários no meio de alegações que a Rússia não está a respeitar o cessar-fogo. As tropas estão a um passo de Kiev e a capital da Ucrânia prepara-se para o cerco.

Numa das últimas mensagens, o Presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky diz que esta é uma luta conjunta. E que desta forma têm a força. Recordando que juntos são 90 milhões e que podem fazer tudo. Concluindo que esta é uma missão histórica para a Polónia e para a Ucrânia - e que juntos vão tirar a Europa deste abismo.

Zelensky denunciou ainda que os corredores humanitários não são respeitados. Moscovo devolve as acusações dizendo que é a Ucrânia que está a boicotar os corredores e acusa ainda Kiev de desenvolver armas biológicas. Os Estados Unidos acreditam que a Rússia pondera recorrer a este tipo de armas e sublinham a importância da intervenção da NATO. O conflito armado avança assim como a guerra económica, Joe Biden anunciou novas sanções e a política de isolamento da Rússia continua em todas as frentes.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Guerra desfaz laços culturais

Ataque aéreo a Kharkiv faz pelo menos sete mortos. Zelenskyy condena brutalidade russa

Rússia captura aldeia na região de Donetsk