Jornalista interrompe telejornal russo com mensagem contra a guerra

Jornalista interrompe telejornal russo com mensagem contra a guerra
Direitos de autor HANDOUT/AFP or licensors
Direitos de autor HANDOUT/AFP or licensors
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Maria Ovsyannikova denunciava "agressão" de Putin contra a Ucrânia. Kremlin denuncia "ato de hooliganismo"

PUBLICIDADE

Uma mensagem contra a guerra em plena televisão estatal russa. Apesar de saber que seria imediatamente detida, a jornalista Maria Ovsyannikova não hesitou em interromper o telejornal do Canal Um russo exibindo um cartaz que dizia: "Não à guerra. Não acreditem na propaganda. Estão a mentir-vos. Russos contra a guerra".

A jornalista também difundiu na internet um vídeo onde acusa diretamente o presidente Vladimir Putin pela "agressão" contra a Ucrânia. 

Ovsyannikova explica que o pai é ucraniano e a mãe é russa e diz que o colar que exibe com as cores dos dois países é "um símbolo de que a Rússia tem de pôr fim imediatamente a esta guerra fraticida". 

A jornalista acrescenta que, "no último ano", esteve "a trabalhar com a propaganda do Kremlin no Canal Um" e diz que se sente "envergonhada por ter permitido mentiras na televisão e a lavagem cerebral do povo russo".

O porta-voz do Kremlin Dmitri Peskov denunciou um "ato de hooliganismo".

A nova lei russa contra o que Moscovo define como "notícias falsas" proíbe o uso da palavra "guerra" acerca da Ucrânia e prevê penas de até 15 anos de prisão. 

Desde o início do conflito, cerca de 15.000 pessoas foram detidas na Rússia em protestos contra a guerra.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Rússia aborta lançamento do foguetão Angara-A5 a minutos da descolagem

Moscovo acusa Ucrânia e aliados ocidentais de esquema para financiarem atos terroristas na Rússia

Rússia e Cazaquistão vivem "piores cheias em décadas"