This content is not available in your region

Will Smith suspenso por 10 anos de ir a festas de Hollywood: "Aceito e respeito"

Access to the comments Comentários
De  Francisco Marques
euronews_icons_loading
Will Smith celebra Óscar momentos depois de agredir Chris Rock
Will Smith celebra Óscar momentos depois de agredir Chris Rock   -   Direitos de autor  Evan Agostini/Invision/AP

Will Smith vai ficar 10 anos sem poder participar em eventos da Academia de Hollywood. Foi preciso quase duas semanas para a entidade mais importante do cinema norte-americano decidir o castigo a aplicar ao ator de "King Richard - Para além do Jogo" pela estalada dada a Chris Rock na entrega dos Óscares deste ano.

Em comunicado citado pelo jornal Washington Post, Will Smith respondeu à suspensão: "Aceito e respeito a decisão da Academia."

O momento foi difundido em direto pela televisão por todo o mundo na noite de domingo, 27 de março, já final da madrugada de segunda-feira em Portugal.

Após uma piada sobre a falta de cabelo da mulher Jada Pinkett Smith, o ator invadiu o palco e esbofeteou o apresentador, voltando a sentar-se, de onde gritou para Chris Rock se deixar de referir à mulher, que padece de alopecia, uma doença que lhe provoca a perda de cabelo.

Na altura, pelas reações dos intervenientes antes e depois da agressão e mesmo da organização do evento, tudo até pareceu encenado. Afinal, não.

Esta sexta-feira, o presidente da Academia de Hollywood, David Rubin, e a diretora-executiva Dawn Hudson escreveram um comunicado conjunto dirigido à "família" lamentando que a celebração da cerimónia de dia 27 de março tivesse sido "ensombrada pelo comportamento inaceitável e prejudicial exibido pelo senhor Smith em palco".

"Esta decisão que estamos a assumir em resposta ao comportamento de Will Smith é um passo em frente rumo a um objetivo mais abrangente de proteger a segurança dos nossos artistas e convidados, e de restaurar a confiança na Academia", lê-se na missiva dos dois líderes do organismo.

O conselho de direção da Academia de Hollywood reuniu-se já uma semana depois de o próprio Will Smith ter decidido demitir-se do organismo.

O afastamento foi tornado público pelo ator num comunicado em que descreveu o momento protagonizado na noite dos Óscares como "chocante, doloroso e indesculpável", assumindo ter "traído a confiança da Academia" e ter "privado outros da oportunidade de celebrarem e de serem celebrados pelos respetivos trabalhos extraordinários".

Recuando à noite da cerimónia, as palavras de Will Smith acabam por ser um pouco dissonantes das reações protagonizadas pelo próprio no decorrer da festa, onde, momentos depois da agressão, foi premiado com o Óscar de melhor ator pela interpretação de pai das irmãs Williams, Serena e Venus, atuais estrelas do ténis mundial.

Os ecos da agressão a Chris Rock prenderam todas as atenções e ofuscaram por completo os restantes vencedores da noite. A estalada levantou debates por todo o mundo sobre o limite do humor e a justiça de reagir com violênciaa uma piada que possa ser considerada ofensiva.

Para já, a agressão de Will Smith mostrada em direto pela televisão para todo o mundo vai custar ao ator apenas uma suspensão por uma década de poder participar em eventos e nomeadamente festas da Academia de Hollywood.

Em risco, no entanto, estão também uma série de filmes com Will Smith já em fase de pós produção, que tiveram as respetivas estreias suspensas pelas produtoras, e outros ainda por rodar.

O ator terá entretanto sido internado numa clínica de reabilitação de luxo para aprender a melhor gerir o stresse, noticiou o jornal britânico The Sun, que adianta ainda o processo em curso para a publicação de um livro escrito por um dos amantes da mulher, Jada Pinkett Smith, sobre esse caso extraconjugal.