This content is not available in your region

UE lamenta que o Mali vire as costas aos parceiros tradicionais

Access to the comments Comentários
De  Teresa Bizarro  com Agências
euronews_icons_loading
Soldado francês orienta retirada de Gossi, no Mali
Soldado francês orienta retirada de Gossi, no Mali   -   Direitos de autor  Katucya Barolin/Exército francês via AP

"Lamentável" - é a palavra escolhida pela União Europeia para classificar o corte de relações entre o Mali e a França. A junta maliana de transição, no poder, denunciou esta semana os acordos de defesa entre Bamako e Paris. Esclareceu que a decisão retira base legal para a França operar em solo maliano.

Para Bruxelas, é um revés no combate ao terrorismo. "Tomamos nota da decisão unilateral das autoridades de transição no Mali. Esta decisão é lamentável e é mais uma numa lista de decisões tomadas pelas autoridades de transição em relação aos seus parceiros tradicionais," diz o porta-voz da Comissão Europeia para os Negócios Estrangeiros. Peter Stano acrescenta que a União Europeia considera "que esta atitude não conduz a um clima pacífico e à cooperação de que todos precisamos para enfrentar os movimentos terroristas."

Nos últimos seis meses, a junta do Mali recrutou os serviços da empresa paramilitar privada russa Wagner, numa aproximação a Moscovo. O corte com Paris surge numa altura em que tropas francesas já estavam a retirar do país e a União Europeia tinha também decidido terminar as missões de treino militar e policial no Mali.