EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Biden agiliza envio de armas à Ucrânia

Joe Biden, presidente dos EUA
Joe Biden, presidente dos EUA Direitos de autor Manuel Balce Ceneta/Copyright 2022 The Associated Press. All rights reserved.
Direitos de autor Manuel Balce Ceneta/Copyright 2022 The Associated Press. All rights reserved.
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Presidente dos EUA aprovou lei de empréstimo de armas e equipamento militar, semelhante à legislação criada em 1941, para apoiar os aliados contra os nazis, durante a Segunda Guerra Mundial.

PUBLICIDADE

O presidente dos Estados Unidos da América (EUA), Joe Biden, assinou esta segunda-feira um projeto de lei que visa agilizar o longo processo de fornecimento militar à Ucrânia na guerra contra a Rússia.

"Estou a assinar um projeto de lei que fornece mais uma ferramenta importante nos nossos esforços de apoio ao governo da Ucrânia e ao povo ucraniano na luta para defender o seu país e a sua democracia contra a guerra brutal de Putin. E é brutal", afirmou Biden após a assinatura.

Ao abrigo desta nova lei, a Ucrânia vê o empréstimo de armas norte-americanas facilitado. Mas a assinatura de Biden dá também garantias a Washington de que mais tarde terá o equipamento de volta ou será reembolsada.

A legislação evoca a mesma lei aplicada durante a Segunda Guerra Mundial, através da qual os EUA apoiaram os aliados, incluindo a União Soviética, .

Ainda há menos de uma semana, a administração norte-americana aprovou um pacote de ajuda imediata à Ucrânia, no valor de 150 milhões de dólares, para a compra de armas.

No total, diz a Casa Branca, os Estados Unidos já forneceram cerca de 3,8 mil milhões de dólares em armas e equipamento militar ao país da Europa do Leste, desde o início da invasão russa, a 24 de fevereiro.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Alemanha reabre embaixada de Kiev

António Guterres na Moldávia para mostrar "solidariedade e gratidão"

Biden chama nações "xenófobas" à Índia e Japão