EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

António Guterres acredita que guerra na Ucrânia vai continuar

Guterres teme que guerra esteja para durar
Guterres teme que guerra esteja para durar Direitos de autor Theresa Wey/Copyright 2022 The Associated Press. All rights reserved
Direitos de autor Theresa Wey/Copyright 2022 The Associated Press. All rights reserved
De  euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O Secretário-geral das Nações Unidas não acredita que esteja para breve um cessar -fogo na Ucrânia. Mulheres dos soldados do batalhão de Azov, que resistem em Mariupol, pedem ajuda ao Papa Francisco

PUBLICIDADE

António Guterres não acredita que esteja para breve o fim da guerra na Ucrânia.

O secretário-geral das Nações Unidas está em Viena, na Áustria, vindo da Moldávia, onde enalteceu a solidariedade do povo moldavo para com os refugiados ucranianos.

Guterres sublinhou, no entanto, que apesar de não se vislumbrar um cessar-fogo entre Moscovo e Kiev, ele está pronto para ajudar a encontrar uma solução de paz de acordo com o direito internacional.

"Ficou claro para nós que, neste momento, não há possibilidades imediatas de um acordo de paz ou possibilidades imediatas de um cessar-fogo global", disse Guterres.

A Provedora de Justiça ucraniana, Liudmyla Denisova, pediu ajuda às Nações Unidas e à Cruz Vermelha Internacional para retirar os soldados feridos que estão a resistir ao cerco das forças invasoras russas à fábrica de aço Azovstal, em Mariupol.

As autoridades ucranianas afirmam que nas últimas 24 horas a Rússia desencadeou 38 ataques aéreos à siderurgia onde estimam que estejam, ainda, mais de 100 civis.

Na cidade do Vaticano, um grupo de mulheres de soldados do Batalhão Azov encontrou-se com o Papa Francisco e pediu-lhe para que seja um mediador nesta guerra, ajudando a salvar as vidas dos maridos, que resistem em Mariupol.

Uma das mulheres, Yuliya Fedosiuk, contou: "Dissemos ao Papa que 700 dos nossos soldados estão feridos. Têm gangrenas, amputações, a carne está a apodrecer, e muitos deles estão mortos. Nós não podíamos enterrá-los, não podíamos enterrá-los à maneira cristã. Pedimos ao Papa que nos ajude. Pedimos ao Papa que seja a terceira parte nesta guerra e que os deixem passar pelo corredor humanitário".

As autoridades de Kiev estimam que mais de mil soldados continuam no complexo metalúrgico a combater as forças invasoras da Rússia.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Zelenskyy reclama por decisões sobre adesão à UE

Pelo menos seis feridos após ataque aéreo russo em zona residencial de Kharkiv

Ataque aéreo a Kharkiv faz pelo menos sete mortos. Zelenskyy condena brutalidade russa