Zelenskyy reclama por decisões sobre adesão à UE

Soldado ucraniano em Odessa
Soldado ucraniano em Odessa Direitos de autor Felipe Dana/Copyright 2022 The Associated Press. All rights reserved.
De  euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Presidente ucraniano lamenta falta de decisões sobre a adesão do país à União Europeia. Kiev acredita que a guerra entra agora numa nova fase

PUBLICIDADE

Volodymyr Zelenskyy lamentou a falta de decisões concretas sobre a adesão da Ucrânia à União Europeia e advertiu que o país não pode permanecer na incerteza.

Perante a plateia de alunos da universidade francesa Sciences Po, o presidente ucraniano sublinhou, ainda, que se a Ucrânia tivesse aderido à NATO, a invasão russa não teria acontecido.

"Durante anos, a Europa temeu a adesão da Ucrânia à NATO porque se a guerra eclodisse com a Rússia, diziam eles, todos teriam de lutar contra ela. Contra ela? Eu diria: lutar pela Ucrânia. Mas não é esse o objetivo da NATO? Há uma questão: Não são "todos por um?", questiona o chefe de Estado.

O Governo de Kiev anunciou que o exército ucraniano expulsou as forças invasoras russas de várias aldeias perto de Kharkiv, no nordeste do país e abateu um míssil de cruzeiro que fora lançado contra a cidade portuária de Odessa, no Mar Negro.

As autoridades ucranianas acreditam que a guerra no país entrou agora numa nova fase, como refere a vice-ministra ucraniana da Defesa, Hanna Maliar:

"Após a heroica defesa de Kiev e da região de Kiev, a guerra entra essencialmente na fase seguinte, uma vez que o inimigo é forçado a estabelecer diferentes objetivos e a implementar táticas e estratégias diferentes na guerra com a Ucrânia".

De acordo com uma fonte do exército da Ucrânia, citada pelas agências internacionais de notícias, a Rússia não terá, ainda, abandonado as esperanças de capturar Kiev, a capital ucraniana. No entanto, está agora focada em controlar as regiões de Mykolaiv e Odessa, no sul, com o objetivo de estabelecer um corredor terrestre para a região separatista da Transnístria, na Moldávia.

Por seu lado, as autoridades russas afirmaram ter bombardeado, esta quarta-feira, vários alvos militares ucranianos.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Preço da reconstrução da Ucrânia pode eclipsar o Plano Marshall

António Guterres acredita que guerra na Ucrânia vai continuar

Aos 79 anos, Olga despede-se da sua casa destruída por um ataque aéreo russo