This content is not available in your region

Timor-Leste celebra 20 anos de independência

Access to the comments Comentários
De  Euronews
euronews_icons_loading
José Ramos-Horta, Presidente de Timor-Leste
José Ramos-Horta, Presidente de Timor-Leste   -   Direitos de autor  ANTÓNIO COTRIM/ 2022 LUSA - Agência de Notícias de Portugal, S.A.

Hasteada pela primeira vez a 20 de maio de 2002, a bandeira de Timor-Leste voltou esta quinta-feira a erguer-se como símbolo maior do país, numa antevisão do vigésimo aniversário da independência.

Díli acolhe por esta altura dezenas de delegações internacionais. Chefes de Estado, governadores e representantes que quiseram marcar presença nas celebrações do "primeiro novo Estado soberano do século XXI", como disse já o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, depois de três décadas de ocupação indonésia, após a descolonização portuguesa. 

A data assinala também a tomada de posse de José Ramos Horta, reeleito há um mês presidente da República.

Durante o discurso de tomada de posse, o chefe de Estado timorense defendeu que as "relações com a República da Indonésia, Austrália, Nova Zelândia e países do sudeste asiático, geograficamente próximos de Timor-Leste, devem estar no topo da nossa agenda nacional".

A agenda política e económica é pautada pela necessidade de ultrapassar os números que continuam a arrastar o país para o fosso do subdesenvolvimento e da subnutrição, sobretudo numa altura em que a guerra na Ucrânia faz pairar também sobre Timor-Leste a ameaça da fome.

Em entrevista à agência Lusa, Ramos Horta tinha já destacado como "prioridade absoluta evitar que, face a esta crise mundial, resultado da guerra da Ucrânia e da pandemia, os timorenses pobres fiquem mais pobres ainda e que venham a passar fome”.