EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Bielorrussos preparam-se para combater na Ucrânia

Dissidentes bielorrussos treinam na Polónia
Dissidentes bielorrussos treinam na Polónia Direitos de autor Michal Dyjuk/Copyright 2022 The Associated Press. All rights reserved
Direitos de autor Michal Dyjuk/Copyright 2022 The Associated Press. All rights reserved
De  euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Grupos de dissidentes bielorrussos estão a receber treino militar na Polónia para combaterem na Ucrânia

PUBLICIDADE

O apelo lançado pelo presidente ucraniano para atrair combatentes internacionais encontrou eco entre dissidentes bielorrussos.

Muitos vivem agora na Polónia onde recebem formação militar para lutarem na Ucrânia na esperança de um dia poderem contribuir também para o afastamento do Presidente Lukashenko.

"Ensinamos tácticas, como utilizar armas durante um ataque, ou em defesa. Em geral, começamos pelo  básico, ou seja, como disparar, como segurar uma arma, como recarregar, como mudar de carregador, como trabalhar em equipa, como reagir a um ataque ou a uma emboscada", afirma Dariusz Tomysek, um instrutor militar polaco.

Os voluntários sabem que derrotar Lukashenko implica antes de mais enfraquecer as forças russas presentes na Ucrânia.

O chefe da unidade "Pahonia" composta por bielorrussos afirma que derrotar Lukashenko implica, antes de mais, enfraquecer Putin.

É impossível libertar a Bielorrússia sem expulsar as tropas fascistas de Putin
Vadim Prokopiev
Dissidente bielorrusso e chefe da unidade "Pahonia"

"É impossível libertar a Bielorrússia sem expulsar as tropas fascistas de Putin para fora da Ucrânia", afirma Vadim Prokopiev.

Os protestos ocorridos após as eleições presidenciais de 2020 na Bielorrússia foram esmagados pelo Presidente Lukashenko que dirige o país desde 1994.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Rússia reforça ataques no Donbass

Soldados ucranianos reclamam "vitórias diárias" a sul

Azovstal: Exército russo diz já se renderam 1730 soldados ucranianos