This content is not available in your region

Fórum de Davos acolhe "Casa dos Crimes de Guerra Russos"

Access to the comments Comentários
De  Ricardo Figueira
euronews_icons_loading
Esposição está no edifício que foi da delegação russa ao FEM
Esposição está no edifício que foi da delegação russa ao FEM   -   Direitos de autor  Markus Schreiber/AP

Foi neste edifício que funcionou, até ao ano passado, a delegação russa junto do Fórum Económico Mundial em Davos, na Suíça. Este ano, a Rússia não está representada, como seria de esperar, perante o que se passa na Ucrânia. Mas a organização decidiu instalar aqui a "Casa dos Crimes de Guerra Russos", com uma exposição sobre as atrocidades cometidas. 

O presidente da câmara da cidade martirizada de BuchaAnatolii Fedoruk, esteve na inauguração: "Depois da Segunda Guerra Mundial, foi criado um tribunal de guerra para julgar o nazismo. Agora deveriam fazer o mesmo com a Rússia. Se isso não acontecer, significa que não há justiça na terra e não conseguiremos parar, durante dezenas de anos, as atrocidades que continuam a acontecer, perpetradas pelos agressores e ocupantes russos", disse.

Se não for criado um tribunal de guerra para a Rússia, significa que não há justiça.
Anatolii Fedoruk
Presidente da Câmara Municipal de Bucha

Com a inauguração deste local simbólico, os organizadores querem sensibilizar os participantes no Fórum Económico Mundial para o que se está a passar.

Liudmyla Denisova, comissária do parlamento ucraniano para os direitos humanos, esteve também presente: "Recebemos muitos testemunhos de cidadãos, reunimos esses testemunhos, nomeadamente graças à nossa ferramenta de chat 'Parem a agressão russa'. São testemunhos de agressões que têm de ser investigadas pelas autoridades. É material que tem de ser entregue a essas autoridades', diz.

A abertura do Fórum Económico Mundial contou com um discurso, à distância, do presidente ucraniano Volodymyr Zelenskyy, à semelhança do que tem acontecido noutros grandes eventos, como recentemente o festival de cinema de Cannes. Neste evento que reúne alguns dos maiores decisores políticos e económicos do mundo, a guerra da Ucrânia não pode deixar de ser um tema dominante.