EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Nova caravana humana de migrantes chega ao estado mexicano de Chiapas

Migrantes em frente ao complexo desportivo de Álvaro Obregón, utilizado como centro de acolhimento. -
Migrantes em frente ao complexo desportivo de Álvaro Obregón, utilizado como centro de acolhimento. - Direitos de autor Isabel Mateos/The Associated Press
Direitos de autor Isabel Mateos/The Associated Press
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Caravanas representam apenas uma pequena fração do fluxo migratório diário para a fronteira dos Estados Unidos.

PUBLICIDADE

Uma caravana humana de milhares de migrantes venezuelanos que atravessa o México em direção ao Estados Unidos chegou na noite de segunda-feira à cidade Álvaro Obregón, no Estado de Chiapas.

O que eu peço aos Estados Unidos é que nos ajudem, que nos apoiem. Podem fazer tantas coisas: podem ir à Venezuela e resolver a situação. O que mais desejo é regressar à minha terra natal.
Migrante

A caravana partiu da cidade de Tapachula, no sul do México, poucas horas antes do presidente, Andrés Manuel López Obrador, anunciar que não participará na Cimeira das Américas, que terá lugar esta semana em Los Angeles, devido ao facto de a administração de Joe Biden não ter convidado a Venezuela, a Nicarágua e Cuba.

Foi horrível atravessar a selva, mas tivémos que fazê-lo para dar aos nossos filhos e a nós próprios uma melhor qualidade de vida. É horrível viver na Venezuela. Se estivéssemos bem lá, não teríamos decidido deixar o nosso país desta forma, porque é difícil, a viagem é muito, muito difícil.
Migrante

Generalizado a partir 2018, o fenómeno das caravanas de migrantes representa apenas uma pequena fração do fluxo migratório diário para a fronteira dos Estados Unidos.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Milhares de pessoas contra morte dos migrantes em Marrocos

Guerra: Atravessaram a fronteira polaca 105 mil refugados não ucranianos

Venezuela isolada na Cimeira das Américas