EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Voluntários arriscam a vida na Ucrânia mas vários são capturados

Carro atingido por bombardeamento em Severodonetsk
Carro atingido por bombardeamento em Severodonetsk Direitos de autor Leo Correa/Copyright 2022 The Associated Press
Direitos de autor Leo Correa/Copyright 2022 The Associated Press
De  Euronews com AP
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Na Ucrânia, os motoristas voluntários têm um papel crucial para ajudar as populações em cidades bombardeadas mas vários acabam capturados.

PUBLICIDADE

O papel dos motoristas voluntários tornou-se, uma vez mais, crucial na evacuação de civis da cidade de Severodonetsk, bombardeada pelas forças russas. Uma frota de carros e autocarros privados tinha já desempenhado um papel vital no transporte de ucranianos para fora das zonas de combate, como em Mariupol, no início do conflito.

Oleksandr Petrenko, é um desses voluntários. Explica que decidiu fazê-lo porque havia lá mulheres e crianças. "Também tenho uma mãe, tenho uma namorada", desabafaba. Pessoas que não têm de ficar lá, "naquele triturador humano. Ali as vidas são desfeitas. Se não o fizer, podem morrer pessoas", concluia.

A população de Severodonetsk e das cidades vizinhas encontra-se agora na mesma situação e conta com a coragem dos seus compatriotas para fugirem ao perigo, arriscando as vidas. Vitaly foi capturado por grupos pró-russos, como explicava Alevtina Shvetsova, uma amiga sua. "Ele poderia ter ficado num lugar seguro com a família depois de ter saído de Mariupol. Mas no entanto, ele não podia ficar parado", referia a jovem. Mas foi o facto de ele saber que "havia muitas mulheres e crianças, em Mariupol, que não tinham água e comida, que estavam a sofrer com os bombardeamentos", que o fez agir, "ele percebeu que tinha de ajudá-los".

O destino destes voluntários, também eles heróis nesta guerra, realizando missões altamente arriscadas, permanece incerto.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Em 2021 morreram mais de 140 trabalhadores humanitários

Russos “negam responsabilidade coletiva”

Manifestantes de mãos dadas pela adesão da Ucrânia à União Europeia