EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Conferência sobre o impacto humanitário das armas nucleares

Sobrevivente da bomba atómica em Nagasaki
Sobrevivente da bomba atómica em Nagasaki Direitos de autor AFP
Direitos de autor AFP
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A Conferência sobre o impacto humanitário das armas nucleares, que decorre em Viena, contou com a presença de sobreviventes de Hiroxima e Nagasaki

PUBLICIDADE

Sobreviventes dos ataques atómicos nas cidades japonesas de Hiroxima e Nagasaki marcaram presença, na sessão inaugural da Conferência sobre o Impacto Humanitário das Armas Nucleares, em Viena.

Em plena ameaça, com a guerra na Europa, o objetivo de estados e organizações, que assinam o Tratado de Proibição de Armas Nucleares não é parar a proliferação destas armas, mas bani-las por completo.

O ministro austríaco dos Negócios Estrangeiros, Alexander Schallenberg, disse na conferência: "Se olharmos para o passado, se olharmos para as munições de fragmentação, se olharmos para as minas antipessoais... No início, a reação foi sempre a mesma: nunca se chegará lá, esqueçam. Os estados estavam a produzi-las, os estados têm arsenais destas armas e estão a ser utilizadas. Que ingénuo pensarmos que pode ser, ou é mesmo perigoso aboli-las, porque se está a enfraquecer todo o sistema internacional".

Os presentes na conferência ouviram relatos na primeira pessoa de sobreviventes que passaram pelos horrores dos ataques nucleares dos EUA no Japão.

Kido Sueichi tinha cinco anos quando o avião dos EUA largou a bomba em Nagasaki, a cidade onde vivia e conta o que viveu e testemunhou, concluindo: "A conclusão tornou-se muito clara de que a bomba atómica é uma arma de desumanidade e de mal absoluto, com a qual os seres humanos não podem existir e que não nos permite morrer nem viver como seres humanos".

A bomba atómica é uma arma de desumanidade e de mal absoluto, com a qual os seres humanos não podem existir e que não nos permite morrer nem viver como seres humanos
Kido Suechei
Sobrevivente da bomba atómica em Nagasaki

O novo tratado, ratificado por mais de 60 estados, pretende garantir que não haverá mais Hiroximas. A guerra na Ucrânia deu novo impulso à iniciativa, que parece não comover os estados detentores de armas nucleares, ausentes deste encontro e não signatários do tratado, que entrou em vigor em janeiro de 2021.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Kremlin anuncia exercícios com armas nucleares táticas após "comentários provocatórios" do ocidente

Centrais nucleares iranianas não foram danificadas após alegado ataque israelita

Um morto e doze feridos em ataque russo a Poltava na Ucrânia