Supremo Tribunal dos EUA libera porte de armas em todo o país

Supremo Tribunal dos EUA
Supremo Tribunal dos EUA Direitos de autor أ ب
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O Supremo Tribunal dos EUA anulou as restrições vigentes em Nova Iorque sobre o uso de armas em público e liberou o porte de armas em todo o país

PUBLICIDADE

O Supremo Tribunal dos Estados Unidos deu luz verde ao porte de armas em público, sem restrições, em todo o país.

A decisão dos juízes anula a lei que vigorava em Nova Iorque que impunha restrições rigorosas ao uso de armas de fogo fora de casa.

A governadora de Nova Iorque, Kathy Hochul, mostra-se chocada e afirma: "Esta decisão não é apenas imprudente, é censurável. Não é o que os nova-iorquinos querem. E deveríamos ter o direito de determinação do que queremos fazer em termos das nossas leis sobre armas no nosso estado. Se o governo federal não tiver leis arrebatadoras para nos proteger, então os nossos estados e os nossos governadores têm a responsabilidade moral de fazer o que possam, e de ter leis que protejam os nossos cidadãos por causa do que se passa - a insanidade da cultura das armas que agora se apoderou de toda a gente até ao Supremo Tribunal".

Deveríamos ter o direito de determinação do que queremos fazer em termos das nossas leis sobre armas no nosso estado. Se o governo federal não tiver leis arrebatadoras para nos proteger, então os nossos estados e os nossos governadores têm a responsabilidade moral de fazer o que possam, e de ter leis que protejam os nossos cidadãos por causa do que se passa - a insanidade da cultura das armas que agora se apoderou de toda a gente até ao Supremo Tribunal.
Kathy Hochul
Governadora do estado de Nova Iorque

O poderoso lobby americano das armas, a NRA saudou aquilo que chama uma "decisão histórica do tribunal superior da nação".

Na sua decisão, o Juiz Clarence Thomas escreveu: "Para além de algumas jurisdições exteriores do final do século XIX, os governos americanos simplesmente não proibiram em geral o porte público de armas de fogo de uso comum para defesa pessoal. Nem exigiram geralmente aos cidadãos cumpridores da lei e responsáveis que "demonstrassem uma necessidade especial de autoproteção distinguível da comunidade em geral" para o porte de armas em público".

A lei de Nova Iorque, escreveu Thomas, também violou a 14ª emenda, que tornou os direitos da segunda emenda aplicáveis aos Estados.

Para o presidente, Joe Biden, "Esta decisão contradiz tanto o senso comum como a constituição e deve perturbar-nos profundamente a todos".

O presidente afirmou: "Desde 1911, o estado de Nova Iorque tem exigido aos indivíduos que gostariam de transportar uma arma escondida em público que demonstrem a necessidade de o fazer para fins de autodefesa e que exijam uma licença. Mais de um século mais tarde, o Supremo Tribunal dos Estados Unidos decidiu derrubar a autoridade há muito estabelecida de Nova Iorque para proteger os seus cidadãos".

O presidente apelou "aos americanos de todo o país para que façam ouvir a sua voz sobre a segurança das armas.  Estão vidas em jogo".

As armas são uma ferida constante aberta na sociedade americana. Há pouco mais de um mês um jovem de 18 anos usou uma espingarda de assalto do tipo AR-15 para matar 10 afro-americanos num supermercado em Buffalo, Nova Iorque, e outro atirador, também com 18 anos, serviu-se uma arma semelhante para matar 21 pessoas, na maioria crianças, numa escola primária no Texas.

À esquerda, a indignação cresce por causa da virgem à direita do tribunal. No início desta semana, o tribunal proferiu uma decisão que atacou a separação entre a Igreja e o Estado. Espera-se que, esta sexta-feira, este tribunal reduza ou retire o direito ao aborto, garantido desde 1973, e diminua a capacidade do governo federal de reduzir as emissões que contribuem para a crise climática.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Tiroteio mortal, nos EUA: Polícia local fala em motivações raciais, o atirador "odiava os negros"

Trump prepara-se para audiência no tribunal

Trump é acusado de mandar apagar imagens incriminatórias no caso dos documentos secretos