This content is not available in your region

Suécia e Finlândia assinam protocolo de adesão à NATO

Access to the comments Comentários
De  Euronews
euronews_icons_loading
AP
AP   -   Direitos de autor  Olivier Matthys/Associated Press.

A Suécia e a Finlândia assinaram esta terça-feira em Bruxelas o Protocolo de Adesão à NATO. O secretário-geral da Organização do Tratado Atlântico Norte descreve o momento como "histórico".

Até concluída a ratificação, os dois países ficam com o estatuto de "convidados" na aliança militar.

"Estamos convencidos de que nossa adesão vai fortalecer a NATO e aumentar a estabilidade na área euro-atlântica."
Ann Linde
Ministra dos Negócios Estrangeiros da Suécia

A Suécia e a Finlândia admitem que este passo vai fortalecer a segurança da NATO.

"A adesão da Finlândia e da Suécia não vai só contribuir para a nossa segurança, mas também para a segurança coletiva da Aliança.", admitiu Pekka Haavisto, ministro dos Negócios Estrangeiros da Finlândia. "A forte capacidade de defesa da Finlândia, preparação civil e resiliência vão contribuir para a força da NATO.", concluiu, no discurso que fez em Bruxelas. 

"Como um futuro membro da Aliança, a Suécia vai contribuir para a segurança de todos os aliados. Estamos convencidos de que nossa adesão vai fortalecer a NATO e aumentar a estabilidade na área euro-atlântica.", disse Ann Linde, ministra dos Negócios Estrangeiros da Suécia. 

"(..) Politicamente mostra que o Ocidente está a consolidar-se"
Fabrice Pothier
Consultor de Política Internacional

Para os especialistas, a entrada dos dois países na NATO, até agora neutros militarmente, prova que o ocidente está a unir-se.

"Eu acho que é um grande passo em relação à postura do Ocidente, e é claro que politicamente mostra que o Ocidente está a consolidar-se", assume Fabrice Pothier, Diretor-geral da "Rasmussan Global", uma consultora especialistas em política internacional.

O veto levantado pela Turquia foi essencial para este avanço. Agora, os protocolos de adesão da Finlândia e da Suécia têm de conseguir luz verde nos parlamentos de cada membro da NATO. Só depois os dois países passam a ser, oficialmente, membros da aliança militar.