This content is not available in your region

Situação no Sri Lanka permanece incerta

Access to the comments Comentários
De  Euronews
euronews_icons_loading
As residências oficiais do governo e da presidência do Sri Lanka foram ocupadas por manifestantes.
As residências oficiais do governo e da presidência do Sri Lanka foram ocupadas por manifestantes.   -   Direitos de autor  Eranga Jayawardena/Copyright 2022 The Associated Press. All rights reserved

Depois da ocupação das residências oficiais do governo e da presidência por manifestantes, e de rumores de uma partida iminente para o exílio do presidente do Sri Lanka, a semana começou com uma calma aparente no país e um vácuo de poder que o primeiro-ministro está a tentar negar.

Ranil Wickremesinghe afirmou em declarações que o governo tem que funcionar de acordo com a lei e que está disposto a proteger a constituição e através dela satisfazer a vontade do povo. Segundo o primeiro-ministro, o país precisa de um governo multipartidário de concertação e serão tomadas medidas que assegurem esse fim.

O presidente do Sri Lanka, Gotabaya Rajapaksa, fugiu este sábado da sua residência oficial em Colombo, e econcontra-se sob proteção das Forças Armadas numa base aérea perto do aeroporto internacional da cidade.

O chefe de estado e o governo aceitaram demitir-se, com efeito na próxima quarta-feira, após serem responsabilizados pela grave crise económica que assola há meses o país.

Após a revolta popular e as acusações a ambos os líderes de má gestão e de corrupção, a Organização das Nações Unidas lançou um apelo para uma transição pacífica no país.

Os manifestantes afirmam que não sairão das residências oficiais até que haja um novo governo.