This content is not available in your region

Os planos da Grécia para ajudar a Europa

Access to the comments Comentários
De  Symela Touchtidou
euronews_icons_loading
Grécia aposta no setor energético
Grécia aposta no setor energético   -   Direitos de autor  Un operario trabaja en una torre de energía

O Egito está a tornar-se um fornecedor chave de energia para a União Europeia e, neste cenário, a Grécia passa para a linha da frente nos planos de abastecimento dos 27.

O Operador Grego de Transmissão de Energia prepara uma ligação subaquática para levar a energia dos campos solar e eólico do Egipto para a ilha de Creta. Ao mesmo tempo, está a ser construída uma segunda interligação com a Bulgária para ajudar os dois países a enfrentarem o Inverno.

Em declarações à Euronews, Manos Manousakis, o diretor executivo do Operador Grego de Transmissão de Energia, explicou que a rede elétrica da Grécia está interligada com todos os sistemas elétricos dos países vizinhos e da Itália. Neste momento, está a ser construída uma segunda interligação com a Bulgária, que vai duplicar a capacidade de transporte de energia entre os dois países, e desempenhar um papel importante num futuro próximo. O projeto será concluído no início de 2023.

A Grécia está na vanguarda do transporte de energia "verde" do Norte de África para a Europa. Espera-se que a interconexão com o Egipto funcione na próxima década. Manos Manousakis acredita que para se conseguir a transição "verde" na Europa,” é crucial utilizar o potencial solar e eólico que existe no Norte de África, uma vez que existe aí um excedente”.

A ligação Grécia-Chipre-Israel também está em curso e a construção vai começar ainda em 2022. "O fluxo de energia neste projeto será da Europa para Chipre e Médio Oriente, "mas existe também a possibilidade de transferir energia de Israel para a Europa, e está a ser considerada", revela Manousakis.

O Operador Grego de Transmissão de Energia considera que todos os projetos em curso são absolutamente necessários, tendo em conta a necessidade de alternativas ao fornecimento russo e a transição energética, e serão implementados.