EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Insegurança alimentar aumenta receio de tumultos na África do Sul

Mercado de Joanesburgo, África do Sul
Mercado de Joanesburgo, África do Sul Direitos de autor Africanews
Direitos de autor Africanews
De  Wandiswa Ntengento & Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Dezenas de milhões de pessoas estão a ter dificuldade em aceder a alimentos básicos. Na memória da população estão ainda os protestos do ano passado, em que morreram mais de 70 pessoas.

PUBLICIDADE

O aumento do preço dos alimentos está a agravar a insegurança alimentar na África do Sul. A crise agita já entre a população o fantasma das insurreições de há um ano, numa altura em que, de acordo com a organização Food Foward SA, todos os meses, 30 milhões de pessoas têm dificuldade em aceder a produtos alimentares básicos.

Andy Du Plessis, diretor executivo da organização que trabalha com comunidades pobres do país, conta estar a "encontrar pessoas que se apresentam desnutridas". 

Recordando um episódio do início do ano, no Cabo Oriental, em que "12 crianças morreram de fome" alerta para o perigo de "mais incidentes como este em todo o país. Estamos também a assistir a um aumento de crimes, oportunistas, mas também de crime organizado, como resultado".

Inflação na África do Sul sobe para máximos dos últimos 13 anos em junho

Com a inflação em junho a atingir os valores mais altos dos últimos 13 anos, os consumidores sul-africanos vêm o preço do cabaz alimentar básico subir para valores incomportáveis. Quando comparado a 2021, só o óleo vegetal, um dos produtos mais afetados pelo impacto da guerra na Ucrânia, aumentou em 69%.

No terreno, os consumidores dizem que a carteira já não dá para os meios de subsistência.

Bonginkosi Zondo conta que "os preços dos alimentos dispararam tanto que não conseguimos acompanhar o ritmo. Mandamos os miúdos às compras e eles quando voltam dizem que os donos das lojas estão a cobrar mais".

Já Sipho Zungu afirma ser "realmente chocante a forma como a comida subiu. O que a tem agravado é a pandemia de covid-19. As pessoas perderam os empregos durante essa altura. Este clima económico atual é a principal razão dos tumultos je Julho em Durban. Precisamos de voltar a plantar a nossa própria comida"

O fraco crescimento económico e o desemprego, agravado sobretudo com a pandemia de covid-19, são, de acordo com as estatísticas nacionais, os principais obstáculos à segurança alimentar na África do Sul.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Duas dezenas de menores morrem em discoteca na África do Sul

África do Sul critica reação "draconiana" à ómicron

Autocarro cai de uma ponte na África do Sul e mata 45 pessoas