Rússia assume ataque a Odessa

Bombeiros tentam apagar o incêndio provocado pelo ataque russo ao porto de Odessa, na Ucrânia
Bombeiros tentam apagar o incêndio provocado pelo ataque russo ao porto de Odessa, na Ucrânia Direitos de autor STR/AFP or licensors
De  euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Kremlin afirma que mísseis atingiram apenas alvos militares

PUBLICIDADE

O Kremlin anunciou, este domingo, que mísseis russos de alta precisão destruíram, um navio militar ucraniano e armas que tinham sido entregues pelos Estados Unidos da América. A admissão de culpa ocorre poucas horas depois de o ministério russo da Defesa ter negado à Turquia qualquer envolvimento no ataque ao porto de Odessa, no sábado.

Os bombardeamentos foram denunciados pelo Governo de Volodymyr Zelenskyy, mereceram o forte repúdio da **União Europeia, (**como se pode ver através da publicação no Twitter do chefe da diplomacia europeia Josep Borrell) dos Estados Unidos e das Nações Unidas uma vez que ocorreram manos de um dia depois de terem sido assinados em Istambul, na Turquia, acordos que visam desbloquear a exportação de cerca de 25 milhões de toneladas de cereais presos nos portos ucranianos do Mar Negro.

O Governo ucraniano acusou a Rússia de "cuspir na cara" da ONU e da Turquia com o ataque, e, num comunicado citado pelo portal oficial Ukrinfrom, de Kiev, o porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros da Ucrânia afirma que a Rússia deve assumir "toda a responsabilidade" se o acordo alcançado na sexta-feira em Istambul, entre Kiev e Moscovo, for quebrado.

Volodymyr Zelenskyy sublinha que o ataque de Odessa vem provar que é impossível manter diálogos ou acordos com Vladimir Putin: "O ataque dos mísseis russos a Odessa, ao nosso porto, é cínico, e foi também um ataque às posições políticas da própria Rússia. Se alguém no mundo pudesse, ainda, dizer que é necessário algum tipo de diálogo com a Rússia, ou algum tipo de acordo, vê-se o que está a acontecer. Os Kalibrs russos destruíram a própria possibilidade de tais declarações".

Uma hipótese posta de lado, este domingo, pelo chefe da diplomacia russa. Numa visita ao Egito, Sergei Lavrov tranquilizou os parceiros egípcios:

"Confirmámos o compromisso dos exportadores de cereais russos em cumprir todas as suas obrigações", disse Sergei Lavrov numa conferência de imprensa após conversações com o homólogo egípcio Sameh Shukri.

"O presidente Vladimir Putin também sublinhou isto numa conversa telefónica com o presidente egípcio (Abdel Fattah) al-Sissi," continuou Lavrov, que deverá, também, visitar o Uganda, a Etiópia e o Congo na próxima semana.

Os acordos assinados, na sexta-feira, em Istambul entre a Rússia, a Ucrânia a ONU e a Turquia, preveem o estabelecimento de "corredores seguros" para permitir a circulação de navios mercantes no Mar Negro, que Moscovo e Kiev se comprometem a não atacar.

Seis meses após o início da invasão russa, o exército ucraniano anunciou estar a recuperar, "passo a passo" a região de Kherson, sob controlo das forças de Moscovo desde o início de março. As autoridades locais esperam recuperar o controlo total da região até setembro.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Ucrânia nega ataque de drone em Sebastopol

Novo ataque perto de Odessa

Dirigentes da UE estão em Kiev para assinalar dois anos da invasão russa