Ataque a Kharkiv provoca pelo menos sete mortes

Bairro residencial de Kharkiv bombardeado
Bairro residencial de Kharkiv bombardeado Direitos de autor Vadim Belikov/AP Photo
De  Bruno Sousa
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Visita de António Guterres à Ucrânia antecedida de ataque a bairro residencial da segunda maior cidade do país

PUBLICIDADE

O bombardeamento de um bairro residencial na cidade de Kharkiv provocou pelo menos sete mortos e 16 feridos. De acordo com as autoridades ucranianas, os ataques russos sucederam-se ao longo da noite na segunda maior cidade do país.

Para Volodymyr Zelenskyy tratou-se de um "ataque cínico a civis" em que um bloco de apartamentos foi totalmente destruído. Garantiu que não irão perdoar e prometeu vingança.

No seu discurso noturno, o presidente ucraniano destacou ainda a resiliência do seu país, ilustrada pelo regresso da atividade diplomática, com 55 embaixadas já em funcionamento na Ucrânia, e pela visita de António Guterres esta quinta-feira.

O secretário-geral da ONU irá reunir-se com Zelenskyy e Recep Tayyip Erdoğan para discutir o acordo entre Kiev e Moscovo para a exportação de cereais, sublinhando a necessidade de uma solução política para o conflito.

A situação de Zaporijia também será discutida, António Guterres já apelou à criação de uma zona desmilitarizada. Enquanto prosseguem as acusações de parte a parte, as autoridades ucranianas realizaram exercícios de resposta a uma situação de emergência na maior central nuclear da Europa.

Entretanto a Rússia divulgou imagens da reconstrução em curso de Mariupol e a China anunciou o envio de tropas para a Rússia para a realização de exercícios militares conjuntos, que de acordo com Pequim nada têm a ver com a atual conjuntura internacional e regional.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Zelenskyy apela à união do mundo livre, G7 concorda restringir importação de diamantes russos

Zelenskyy assinala Dia das Forças Armadas e pede ajuda para a Ucrânia

Ucrânia prepara mudanças no sistema de mobilização militar