This content is not available in your region

Grécia tenta proteger urso pardo

Access to the comments Comentários
De  euronews
euronews_icons_loading
O urso pardo é uma espécie protegida pois está em risco de extinção
O urso pardo é uma espécie protegida pois está em risco de extinção   -   Direitos de autor  Arcturos

Na Grécia, três ursos pardos foram encontrados mortos a tiro, no mês passado, perto da cidade de Florina, na região da Macedónia Ocidental.

De acordo com a organização não-governamental Arcturos, desde o início do ano, morreram já quatro ursos nesta região que pertence à área protegida "Natura 2000".

"Ao colocar o assunto em aberto e ao mobilizar as autoridades, esperamos que se ponha fim a esta ação criminosa. É bom que tais ações já não fiquem impunes, para que os perpetradores ou aqueles que levam a cabo tais ações criminosas contra um animal, que é protegido pela legislação grega, assim como pela legislação europeia, cessem tais atividades. É claro que todos estarão conscientes de que tais ações não ficam impunes", diz o porta-voz da Arcturos, Panos Stefanou.

O ambientalista acredita que por detrás destes crimes estão interesses económicos: "Não acreditamos que seja tanto medo, em si mesmo. O abate dos ursos pode ser visto como uma ação preventiva que foi tomada, de modo a não danificar o capital agrícola ou pecuário. O que é ainda mais inquietante e enfurecedor".

De acordo com a "Arcturos", um dos três ursos, era uma jovem fêmea adulta e que estaria ainda a amamentar. Isto significa as crias ficaram órfãs.

O vice-ministro do Ambiente e Energia, Giorgos Amyras, refere-se ao caso como sendo "horrível".

Os serviços do Ministério estão em cooperação direta com a Polícia Grega para resolver os casos. Diz, ainda, que será feito tudo para se proteger a população de mamíferos, sempre em cooperação com a Arcturos.

A ONG, juntamente com outras organizações gregas e internacionais, juntamente com o coordenador da "Rewilding Europe", estão a implementar no país o projeto "LIFE Bear - Smart Corridors" no Amyntaio e nas áreas de Trikala, Pyli e Meteora na Grécia, com o objetivo de fortalecer as populações dos ursos castanhos europeus em Itália e na Grécia, através do desenvolvimento de "corredores de coexistência".