Urso pardo abatido em Itália depois de perseguir casal gera protestos por parte de ativistas

Urso pardo
Urso pardo Direitos de autor WINFRIED ROTHERMEL/APN
De  Euronews com AP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Centenas de pessoas concentraram-se nas ruas de Trento no sábado em protesto contra o abate de um urso pardo. O animal terá perseguido um casal de caminhantes, levando as autoridades a recearem futuros ataques.

PUBLICIDADE

Centenas de pessoas concentraram-se nas ruas de Trento, no sábado em Itália, em protesto contra o abate de um urso pardo chamado Sonny e conhecido por M90. 

O animal foi morto pela guarda florestal, no Vale do Sole, nos Alpes italianos, depois das autoridades terem tomado conhecimento que o M90 perseguiu um casal de montanhistas durante 1,5 kms e o classificarem como “muito confiante”, pois costumava frequentar as casas nas redondezas.

O urso exibiu "confiança excessiva após frequência em áreas urbanas”, tendo seguido pessoas em várias ocasiões, mais recentemente seguindo um casal de montanhistas numa estrada arborizada, disse a autoridade local depois de receber confirmação para abate do Instituto Superior de Proteção Ambiental e Pesquisa (ISPRA).

O Instituto concordou com a necessidade de "remover o urso M90 o mais rápido possível", disse a autoridade local. O urso foi localizado e identificado através de um colar de rádio e marcas na orelha.

Ativistas dos direitos dos animais criticam o método utilizado e pedem a demissão de Fugatti

A ordem para o abate do urso pardo, emitida pelo governador da província de Trento, Maurizio Fugatti, está a ser fortemente contestada por ativistas que alegam não ter sido dado tempo para reavaliar a situação, segundo a imprensa local citada pela Associated Press. 

Os ambientalistas concentraram-se em protestos contra a velocidade da ordem e contra o método aplicado na execução do urso pardo.

De acordo com a Agência Nacional de Proteção Animal (ENPA), o urso foi morto sem narcotização, através de espingarda de calibre 300, causando sofrimento prolongado ao animal.

A ENPA pediu ao Ministério Público de Trento para realizar uma autópsia a fim de se verificar e estimar a real extensão e localização dos ferimentos causados pela bala.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

CE inicia processo contra Itália por violação às regras da caça

Grécia tenta proteger urso pardo

Primeiro urso pardo avistado na Galiza em 150 anos