Projeções apontam vitória de centro-esquerda na Suécia

Eleições na Suécia
Eleições na Suécia Direitos de autor Pontus Lundahl/TT News Agency
Direitos de autor Pontus Lundahl/TT News Agency
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Sondagem de canal de televisão privado sugere maioria ganha pela coligação liderada pelo Partido Social Democrata, mas o Partido Moderado perde liderança da oposição de direita

PUBLICIDADE

O bloco governamental de centro-esquerda liderado pelo Partido Social Democrata terá ganho este domingo as eleições gerais na Suécia, de acordo com sondagens do canal privado TV4 e do canal de televisão público SVT.

A TV4 sugere que o bloco de centro-esquerda poderá assegurar uma escassa maioria, com 50,6% dos votos contra 49,8% do bloco que junta o centro-direita à extrema-direita. A SVT indica um triunfo à tangente do centro-esquerda com 49,8% contra 49,2%.

Ambas as projeções, a privada divulgada escassos minutos antes do fecho das urnas, às 19 horas locais (18 horas em Lisboa) e a pública pouco depois, indicam que do lado da oposição há um novo líder.

O partido Democratas Suecos, de extrema-direita, que teria conseguido, respetivamente, 21,3% ou 20,5%, o que reflete uma subida de três pontos face ao conseguido há quatro anos.

Ainda assim, a confirmarem-se os resultados sugeridos pelas sondagens, os nacionalistas tornam-se no segundo partido mais votado na Suécia, alcançando uma subida histórica, que torna a extrema-direita líder da oposição no Riksdag, o parlamento sueco.

O grande derrotado será o Partido Moderado, descrito como conservador, que não terá ficado entre os 16% e os 18,8%, caindo para terceira força política e perdendo o estatuto de principal força da oposição de direita na Suécia.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Eleições legislativas suecas ainda em aberto com 95% dos votos contados

Tiroteio na Suécia: "Foi ultrapassado novo limite", diz primeiro-ministro

Greta Thunberg e outros ativistas climáticos removidos à força da entrada do Parlamento sueco