This content is not available in your region

Primeira-ministra da Suécia demite-se

Access to the comments Comentários
De  Euronews
Primeira-ministra da Suécia demite-se
Direitos de autor  Ali Lorestani/ALI LORESTANI

A primeira-ministra da Suécia,Magdalena Andersson, anunciou que vai apresentar, oficialmente, a demissão esta quinta-feira.

A social-democrata assume assim a derrota da esquerda perante o bloco de direita nas eleições legislativas de domingo passado.

Com cerca de 100% dos círculos eleitorais contados, a oposição de direita venceu o escrutínio por três assentos, 176 contra 173, de acordo com a contagem feita pela Autoridade Eleitoral.

Numa conferência de imprensa, Andersson afirmou que "os quatro partidos de direita parecem ter apenas 50% dos votos nas eleições e tiveram uma vantagem de um ou dois mandatos (assentos). É uma maioria estreita, mas é uma maioria", por isso, entrega, na quinta-feira, a demissão "como primeira-ministra e a responsabilidade de continuar o processo será assumida pelo Presidente do Parlamento e pela Assembleia."

Os sociais-democratas foram, contudo, a força mais votada, com 30,4% dos votos.

O partido nacionalista e anti-imigração Democratas da Suécia foi a segunda força mais votada, arrecadando 20,6%, no entanto o líder Jimmi Akesson tem poucas hipóteses de se tornar primeiro-ministro, uma vez que não tem o apoio do Partido Moderado conservador de Ulf Kristersson, a terceira força política do país.

Na rede social Facebook, Jimmie Akesson escreveu que os suecos votaram a favor da mudança, e disseram basta à política social-democrata "fracassada" que, disse, durante oito anos conduziu o país "na direção errada".

Akesson afirmou que está a ser iniciado um processo, com os parceiros de direita, para se definir "um novo Governo estável a longo prazo."