O percurso político de Giorgia Meloni

Access to the comments Comentários
De  Euronews
Giorgia Meloni, líder do partido "Irmãos de Itália", candidata às eleições legislativas em Itália
Giorgia Meloni, líder do partido "Irmãos de Itália", candidata às eleições legislativas em Itália   -   Direitos de autor  Euronews Redacción Italiana

"A direita italiana acabou com o fascismo há muitas décadas"

É assim que Giorgia Meloni, provavelmente a próxima primeira-ministra da Itália, responde à imprensa internacional quando descrita como "um perigo para a democracia e estabilidade italiana, europeia e internacional".

O mantra principal para Meloni é tranquilizar. Uma estratégia comum utilizada pelos seus antecessores políticos, como Gianfranco Fini, ex-líder do Movimento Social Italiano (MSI) neofascista, que procurou criar uma imagem mais moderada e acessível daquilo que na Itália é chamada a "direita pós-fascista".

Um ambiente familiar a Giorgia Meloni que, aos 15 anos, entra na juventude do Movimento Social Italiano (MSI).

De 1998 a 2002, foi representante da província de Roma junto do partido Alleanza Nazionale, o sucessor mais moderado do Movimento Social Italiano.

Em 2008, juntou ao partido "Povo da Liberdade" de Silvio Berlusconi, tornando-se até 2011, a mais jovem ministra na história da Itália moderna.

Em 2013, Meloni deixou o partido de Berlusconi para criar o "Irmãos da Itália" com Gianfranco Larussa e Guido Crosetto, um novo partido que defende o nacionalismo conservador com uma forte ênfase na soberania.

Meloni obteve apenas 3% de votos durante as eleições de 2013. Mas o seu crescimento tem sido consistente ao longo dos últimos 9 anos.

O verdadeiro catalisador ocorreu quando o "Irmãos de Itália" foi praticamente o único grande partido italiano a não integrar o governo de coligação de Giuseppe Conte em 2019, e a aceleração deu-se enquanto oposição ao governo de Mário Draghi

A arte de Meloni tem sido conseguir reunir apoio à sua visão contrária ao globalismo e ao progressismo, sem cair no discurso antissistema, com posições como: "Sim à família natural, não ao lobby LGBTQ".

Se na Europa Giorgia Meloni continua a cultivar afinidades com a extrema-direita e os eurocéticos, como o Vox em Espanha, em Itália deve agora mostrar um tom mais moderado e institucional,  sem o qual será difícil liderar um país historicamente centrista.